CASA NOVA PROMOVE A 28ª FESTA DO INTERIOR

CASA NOVA PROMOVE A 28ª FESTA DO INTERIOR
CASA NOVA PROMOVE A 28ª FESTA DO INTERIOR

PARA VOTAR NA RADIO, CLIQUE AQUI

.

.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

PAI É DETIDO POR AGREDIR BEBÊ DE 2 ANOS COM CHINELADA NO ROSTO

Segundo polícia, ele confessou ato, mas disse que queria 'corrigir' o filho. 
Após depor, ele foi liberado; professora notou hematoma e denunciou caso.

Do G1 GO

Caso foi descoberto após professora ver hematoma e denunciar à polícia
 (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Um homem de 28 anos foi detido após agredir o filho, de 2 anos, com uma chinelada no rosto, em Luziânia, no Entorno do Distrito Federal. Segundo a Polícia Civil, ele confessou que atingiu o menino, mas afirmou que agiu com o intuito de educá-lo, pois ele seria "muito levado". O caso foi descoberto depois que a professora da criança viu o hematoma.

A situação ocorreu na quinta-feira (16), quando o fato foi relatado à Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) de Luziânia. Logo em seguida, agentes foram até a casa do suspeito e o detiveram.

"Ele assumiu que agrediu o próprio filho e narrou para a Polícia Civil que praticou a agressão com o objetivo de corrigir a criança, haja vista que, segundo ele, a criança seria muito levada", disse à TV Anhanguera o delegado regional de Luziânia, Rodrigo Mendes.

Após ser ouvido, o suspeito foi autuado por maus-tratos, mas vai responder ao inquérito em liberdade. Se condenado, pode pegar de dois meses a um ano de prisão. Mendes destacou que, por enquanto, a criança segue com os pais até que a Justiça se posicione sobre o assunto.

O homem foi advertido e informado que, se a situação voltar a ocorrer, pode perder o direito de ter a guarda do garoto.

"Em caso de reincidência, ele pode ser preso em definitivo. O procedimento foi encaminhado ao Poder Judiciário e, ao analisar o procedimento criminal, o juiz pode, inclusive, retirar ou suspender a guarda dos filhos para aquele pai", afirma o delegado.

Homem foi detido e autuado, mas vai responder ao processo em liberdade (Foto: Divulgação/Polícia Civil)