RADIO WEB JUAZEIRO : GAROTO MORRE DEPOIS DE SOFRER AGRESSÕES DE FUNCIONÁRIOS DO HABIB'S

PARA VOTAR NA RADIO, CLIQUE AQUI

quinta-feira, 2 de março de 2017

GAROTO MORRE DEPOIS DE SOFRER AGRESSÕES DE FUNCIONÁRIOS DO HABIB'S

Vizinha diz ter visto funcionário do Habib's dar soco em adolescente que morreu

Polícia Civil investiga se ele foi agredido por funcionários da lanchonete ou se teve um mal súbito. Rede de lanchonetes diz que 'vai cooperar com as investigações'.

Por Glauco Araújo, G1 São Paulo

Morte de João Victor Carvalho tem causas desconhecidas 
(Foto: Arquivo Pessoal)

A Polícia Civil ouviu o depoimento de uma vizinha e dos pais do adolescente João Victor Carvalho, de 13 anos, que morreu no domingo (26) após confusão em um Habib's na Zona Norte de São Paulo. A Polícia Civil investiga se ele foi agredido por funcionários da lanchonete ou se teve um mal súbito.

Por meio de nota, a assessoria de imprensa do Habib's informou que "vai cooperar com as investigações, se empenhando em esclarecer todos os detalhes do ocorrido com prioridade" (leia a íntegra do comunicado mais abaixo).

Uma catadora de material reciclável de 59 anos, que é vizinha do adolescente, contou em depoimento aos policiais que estava na frente da lanchonete vendendo balas quando viu o adolescente ser perseguido por dois funcionários do Habib's. Ela descreveu fisicamente os dois homens e disse que um deles seria gerente da unidade e o outro, segurança da lanchonete.

No depoimento, ela informou que o adolescente foi alcançado pelo "segurança" da lanchonete, que deu um soco na cabeça de João Victor. Ainda segundo ela, o "gerente" chegou e os dois funcionários da lanchonete seguraram o adolescentes pelos braços e o carregaram em direção ao estabelecimento. No caminho, ele desmaiou.

Habib's onde confusão aconteceu no domingo 
(Foto: Newton Menezes/Futura Press/Estadão Conteúdo)

A mulher disse aos policiais que se aproximou do adolescente e dos funcionários do Habib's e pediu uma colher para destravar a boca do menino, que estava espumando. Mas ela desistiu, pois João Victor já estava inconsciente. No depoimento, ela não soube afirmar se o adolescente já tinha sido agredido antes dentro da lanchonete. Ela mencionou ter ouvido João Victor, antes de desmaiar, perguntar onde estava o chinelo dele.

A catadora afirmou que chamou o pai do adolescente para o local e aguardou a chegada da Polícia Militar. Quando o policiamento chegou, ela relatou o que tinha visto e indicou o segurança como sendo o autor do soco no adolescente. "Os policiais disseram que minha declaração não tinha valor porque eu era 'nóia'". Ela disse ainda não ter visto João Victor com paus ou pedras.

Documento informa que as causas da morte do adolescente são desconhecidas (Foto: Glauco Araújo/G1)

Na nota, a assessoria de imprensa do Habib's informou que “a polícia foi acionada, assim que verificaram que a conduta do menor estava incontrolável, ameaçando o patrimônio físico da loja e dos clientes”. “Diante do estado do jovem, imediatamente, também o resgate foi acionado.”

Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria da Segurança Pública (SSP), João Victor estaria ameaçando quebrar vidros da loja e de carros de clientes com um pedaço de pau. Ainda de acordo com o setor de comunicação da pasta, a polícia apura as causas da morte do menino: se ela foi provocada por uma suposta agressão de empregados do estabelecimento comercial ou se foi causada por algum problema de saúde. O garoto era conhecido na região por pedir esmola e comida.

"Se os PMs tivessem levado a testemunha [catadora] para a delegacia no dia do ocorrido, ela reconheceria os agressores e eles poderiam ter sido presos em flagrante. Outro problema é que as agressões ocorreram às 19h de domingo. O registro ocorreu apenas às 4h do dia 27", disse o advogado Ariel de Castro Alves, coordenador da Comissão dos Direitos da Criança e do Adolescente do Condepe.

"As investigações se iniciaram só hoje [quarta-feira], três dias depois. Apurações de possíveis homicídios não podem ficar paradas em razão de feriados. Já deu tempo do Habib's sumir com as imagens, ou editá-las", disse o advogado.

Pai da vítima disse que foi até a lanchonete após ser informado de que o filho tinha sido agredido (Foto: Glauco Araújo/G1)

Família

Parentes e amigos de João Victor lamentaram a morte. "Era uma criança que nunca fez mal para ninguém, ele gostava muito do Habib's. Há dois meses ele foi ameaçado por funcionários da lanchonete e ficou um tempo sem ir lá. Depois ele voltou. Ele sempre pedia uma moeda para as pessoas, mas sempre do lado de fora", disse Aline Cardoso, tia do menino morto.

Ainda segundo Aline, "ele nunca fez nada para ninguém, nunca roubou, nunca foi capaz de matar uma barata sequer, ele sempre foi um menino muito bom. A família está arrasada. Todos queremos que apareça a verdade e os culpados sejam punidos", disse ela.

O pai do adolescente, Marcelo Fernandes de Carvalho, 42 anos, disse à polícia que procurou o gerente da lanchonete na noite da agressão e o funcionários o teria tratado com desdém e dito que não sabia de nenhuma agressão e nem sabia do paradeiro do filho.

Ainda de acordo com o depoimento, ele informou que o filho fazia tratamento de dependência de lança-perfume e que estava tendo bons resultados no Caps da região. A mãe de João Victor, Fernanda Souza, 34 anos, disse que o filho estava em tratamento e que estava demonstrando melhora. Os dois disseram em seus depoimentos que o filho não tinha problemas de saúde.
Policiais militares informaram que foram chamados por conta de uma agressão na lanchonete (Foto: Glauco Araújo/G1)

Versões diferentes

O caso foi registrado no último domingo no 13º Distrito Policial (DP), na Casa Verde, como "morte suspeita" a esclarecer. Isso porque o boletim informa que a Polícia Militar (PM) tinha ido ao local atender uma ocorrência de agressão e o pai do garoto estava com a informação de que seu filho havia sido agredido no Habib's. Mas depois funcionários deram outra versão: que foram repreender o menino, que saiu correndo, teve um mal súbito e caiu.

Consta no registro policial que a PM foi acionada para atender ocorrência de agressão, sem dar detalhes de quem seria o agressor e a vítima, por volta das 19h de domingo. Mas ao chegarem lá, não encontraram o garoto. Funcionários relataram que o menino passou mal e foi levado por uma ambulância a um hospital.

Segundo o boletim, uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) socorreu o menino, mas antes de chegar ao Hospital do Mandaqui, ele teve uma parada cardiorrespiratória, não resistiu e morreu. De acordo com a declaração de óbito, as causas da morte são desconhecidas.

A ocorrência informa que o pai do adolescente chegou a ir até o hospital depois de ser informado que seu filho teria sido agredido e confirmou que ele era usuário de lança-perfume. Apesar disso, a polícia informou que não foram encontradas marcas de agressão no corpo do menor.

Investigação

De acordo com a assessoria de imprensa da SSP, apesar de o caso ter sido registrado no 13º DP, ele será investigado pelo 28º DP, na Freguesia do Ó.

A reportagem falou com policiais do 13º e do 28º DP, que disseram que somente o resultado de um laudo necroscópico, que será produzido pelo Instituto Médico-Legal (IML), deverá apontar o que matou o menor. Investigadores também disseram que vão tentar analisar imagens de câmeras de segurança na região para saber se elas gravararam a confusão para ajudar a esclarecer o caso.

Habib's

Leia abaixo a íntegra da nota do Habib's sobre o caso da morte do adolescente:

"A Rede informa que continua apurando os fatos da lamentável ocorrência em uma de suas unidades franqueadas.

A franqueadora leva em consideração as informações relatadas pelos funcionários da unidade franqueada, presentes no momento da ocorrência, bem como os relatos registrados em B.O.

A polícia foi acionada, assim que verificaram que a conduta do menor estava incontrolável, ameaçando o patrimônio físico da loja e dos clientes.

Diante do estado do jovem, imediatamente, também o resgate foi acionado. E todas as orientações, por ele passadas, foram seguidas para garantir o devido socorro ao jovem, que, infelizmente, veio a falecer a caminho do hospital.

A Rede esclarece, ainda, que vai cooperar com as investigações, se empenhando em esclarecer todos os detalhes do ocorrido com prioridade."

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário.