RADIO WEB JUAZEIRO : TRAFICANTE DE DROGAS NÃO TEM PERDÃO NAS FILIPINAS

PARA VOTAR NA RADIO, CLIQUE AQUI

sexta-feira, 17 de março de 2017

TRAFICANTE DE DROGAS NÃO TEM PERDÃO NAS FILIPINAS

Nova fase da 'guerra antidrogas' de Duterte deixa 28 mortos em 10 dias nas Filipinas

Nos últimos dez dias, os policiais visitaram 55.087 domicílios e detiveram 1.577 suspeitos, segundo os dados oficiais.


Por Agencia EFE
Nova fase da 'guerra antidrogas' de Duterte deixou 28 mortos em 10 dias
 (Foto: Aaron Favila/AP)

Vinte e oito supostos toxicômanos e narcotraficantes morreram em enfrentamentos com a polícia nas Filipinas desde que o governo do presidente Rodrigo Duterte retomou há dez dias a campanha antidrogas com a promessa que seria "menos sangrenta".

As vítimas foram mortas pelos agentes após supostamente resistirem à detenção em 979 operações policiais em todo o país desde o começo da operação Double Barrel Reloaded ("Duplo Canhão Recarregado") -nome da nova fase da campanha- até esta madrugada, indicou nesta sexta-feira (17) a Polícia Nacional em um relatório.

Nos últimos dez dias, os policiais visitaram 55.087 domicílios e detiveram 1.577 suspeitos, segundo os dados oficiais.

O documento especifica que 4.448 drogados e 231 traficantes se entregaram voluntariamente às autoridades desde que Ronald Rosa, diretor da Polícia Nacional e homem de confiança de Duterte, declarou o início da segunda fase da campanha no último dia 6.

A nova etapa, iniciada após uma suspensão temporária de um mês, procura ser "menos sangrenta", segundo anunciou Rosa, que inclusive convidou a Igreja Católica a participar da supervisão das operações antidroga.

A Anistia Internacional (AI) criticou nesta sexta-feira as 28 mortes e afirmou que "não se materializaram as reformas da polícia prometidas pelo presidente durante a suspensão por um mês das operações contra drogas no país".

Duterte suspendeu temporariamente a campanha antidroga no final de janeiro para "limpar" a polícia de corrupção após uma primeira fase na qual houve mais de 7 mil mortos em sete meses, deles mais de 2,5 mil pelas mãos de agentes.

A "guerra contra as drogas", que em sua primeira fase concedeu impunidade aos assassinatos de supostos traficantes e viciados, recebeu duras críticas de países e organizações internacionais por supostamente violar os direitos humanos da população.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário.