CASA NOVA PROMOVE A 28ª FESTA DO INTERIOR

CASA NOVA PROMOVE A 28ª FESTA DO INTERIOR
CASA NOVA PROMOVE A 28ª FESTA DO INTERIOR

PARA VOTAR NA RADIO, CLIQUE AQUI

quarta-feira, 10 de maio de 2017

EX-ASSISTENTE DE PALCO DE SILVIO SANTOS ABRE A BOCA

Assistente de palco fala de passado de Silvio Santos: 'Cantava todas e tinha bafo'
Foto: Reprodução / UOl

A atriz Neide Ribeiro, que foi assistente de palco de Silvio Santos nos anos 70, concedeu uma entrevista ao UOL e revelou que o apresentador costumava desligar o microfone fixado em seu tórax para propor “as coisas mais indecentes”. “Um dia, eu disse: ‘Silvio, se você me der uma cobertura nos Jardins, eu vou pra cama com você’. Eu sabia que ele era miserável, não me daria coisa nenhuma". Durante o papo, ela falou que ele não fazia seu tipo: "Não, não. Deus me livre! O homem tinha um bafo… Sabe aquele cheiro azedo de cabo de guarda-chuva? Ele vinha falando, eu ia de ré.” Mas até hoje ela acha graça da contraproposta dele: “Ele dizia: ‘Neide, eu não te dou uma cobertura, mas posso te dar um cobertor’”. A atriz conta que havia quem acreditasse nas intenções do apresentador: “Tinha ‘silvete’ que achava que poderia substituir a mulher dele na época, a Cidinha, que bebia, quando ela morresse. Bobinhas". Depois, a veterana relembrou um episódio com o diretor Carlos Alberto de Nóbrega, do programa "A Praça é Nossa", que na época era exibido pela Band. Segundo ela, Nóbrega chamou um grupo de atores da “Praça” para fazer uma apresentação em uma palestra corporativa no interior. “Depois da apresentação, que foi em um fim de semana, ele passou a noite ligando para o meu quarto no hotel. Até que, uma hora, bateu à minha porta. Eu abri, disse que não gostava dele, não ia transar com ele, mas se ele quisesse pagar nem me lembro a quantia, chutei muito alto para não correr o risco de ele aceitar, eu o deixava entrar no meu quarto. Falei gritando, malcriada. Ele olhou para a minha cara sem acreditar e foi embora.” Na segunda-feira, conta Neide, ela recebeu um telegrama da TV a dispensando. “Dizia algo como: ‘Agradecemos a sua colaboração, mas estamos em contenção de despesas. O pior é que todo mundo fala dele como se fosse um amor de criatura. Aquilo é um velho babão desgraçado. Passou aquela ‘A Praça é Nossa’ toda na cara. E ainda oferecia para o filho. As coitadinhas ficavam com medo de perder o emprego".