RADIO WEB JUAZEIRO : VEJA O VÍDEO - QUEM MANDOU ESSAS ARMAS PARA O BRASIL??

sexta-feira, 2 de junho de 2017

VEJA O VÍDEO - QUEM MANDOU ESSAS ARMAS PARA O BRASIL??

Polícia dos EUA faz diligências em busca de suspeito de mandar fuzis para o Brasil, diz delegado

A polícia tem informações sobre a participação no esquema de um despachante aduaneiro que ajudava a liberar a mercadoria. Policiais não acreditavam que via aérea era usada para trazer fuzis.

Por Bom Dia Rio

polícia dos Estados Unidos realiza diligências em busca do responsável por enviar 60 fuzis para o Rio de Janeiro, por via aérea, chegando pelo Terminal de Cargas do Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro, contou o delegado Maurício Mendonça, da Polícia Civil, que participou das investigações. A Polícia Civil pediu que o armamento seja usado pela própria corporação.

“As informações foram repassadas à polícia americana, que está realizando diligências para capturar os marginais que estão nos Estados Unidos”, explicou o delegado.

Até o momento, a polícia tem informações sobre a participação no esquema de um despachante aduaneiro que ajudava a liberar a mercadoria.

Dando detalhes sobre a investigação, o delegado contou que os policiais não acreditavam que a rota aérea estaria sendo usada para trazer fuzis para o Rio.

“A informação demorou a chegar para nós, levamos um ano e meio nessa investigação. Inicialmente achamos que ele vinha de maneira terrestre. Bem próximo do fim descobrimos que o armamento estava vendo pelo Aeroporto Internacional”, destacou um dos responsáveis pela investigação.

O delegado da Polícia Civil acredita que a descoberta da rota possa alterar a rotina nos aeroportos.

“Agora que está comprovado que vem dessa forma, imagino que deva haver uma mudança na rotina. E tudo isso ontem foi comunicado à Polícia Federal e à Receita Federal que contribuíram para que esta apreensão acontecesse. Eu acredito que, a partir de agora, essa fiscalização seja maior”, explicou Maurício Mendonça.

Uma reunião pode alterar a forma como é monitorada as cargas que chegam ao Brasil. Atualmente, o que vale é o sistema por amostragem, que pode ser alterado por um sistema mais rígido.

“Tudo começou porque um dos fuzis apreendidos é o AR-10, que é um fuzil americano, que vem dos Estados Unidos. Percebemos que este fuzil estava sendo empregado de maneira firme, tanto no tráfico de drogas quanto no roubo de cargas. Percebemos que o Rio de Janeiro poderia estar sendo inundado com este tipo de armamento”, explicou o policial.
Fuzis apreendidos pela Polícia do Rio são apresentados (Foto: Alessandro Ferreira/G1)

Entenda o caso

Policiais da Delegacia Especializada em Armas, Munições e Explosivos (Desarme) e da Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas (DRFC), apreenderam, nesta quinta-feira (1), 60 fuzis de guerra, no Terminal de Cargas do Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro. A informação é da Polícia Civil do Rio.

A operação terminou ainda com quatro presos - 2 moradores de Niterói, um da Baixada e um de Jacarepaguá. Segundo a corporação, são fuzis AK 47 (45 unidades), G3 (1 unidade) e AR 15 (14 unidades), vindos de Miami (EUA) dentro de containers junto com uma carga de aquecedores para piscinas. A investigação sobre as armas levou um ano e envolveu interceptações telefônicas.

O chefe de Polícia, Carlos Leba e o secretário de Segurança do Rio, Roberto Sá, deram entrevista coletiva no fim da tarde desta quinta sobre a apreensão.

"Estou tomado pela emoção e pela indignação. Mas tenho que agradecer o trabalho da Polícia Civil. Preciso dizer que estamos em estado de calamidade pública, oficialmente, com uma série de serviços suspensos e falta de RAS, o que não impediu que nossos policiais deem resposta à criminalidade. Eles demonstram amor à profissão e compromisso", disse Sá, lembrando de pendências nos pagamentos de agentes.

O secretário ainda destacou a criação da Desarme e o trabalho na apreensão de fuzis. "O motivo da emoção é esse, a tentativa de construção de um Rio de Janeiro menos violento. No Rio de Janeiro, traficante so tira onda de macho por conta disso, de ter o fuzil. A hora que tiver com pistola, ele vai dar meia volta".

Segundo Sá, a investigação começou na Delegacia de Roubos e Furtos de cargas com a morte de um policial. "Quantas mortes não estamos evitando com essa apreensão?", questionou. Posteriormente, Marcelo Martins, diretor de delegacias especializadas, explicou que a arma usada no assassinato do policial em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio, também foi usada num roubo de cargas. A partir do levantamento da origem da arma, começou a investigação que culminou na apreensão desta quinta.

Ainda de acordo com Sá, nos últimos 150 dias, 250 fuzis apreendidos no Rio de Janeiro. "Os últimos 90 (60 desta quinta mais 32 da Cidade Alta em maio) sem disparar um tiro", observou.

"Hoje temos 60 fuzis, mas não temos certeza se não vão se tornar mais. Agradeço aos policiais, vocês são o orgulho dessa instituição, apesar dessa grave crise", afirmou o chefe da Polícia Civil, Carlos Leba.

Roberto Sá afirmou que uma informação preliminar do Instituto de Segurança Pública (ISP) indica que a apreensão desta quinta é a maior em 10 anos.
Polícia do Rio apreende 60 fuzis no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro (Gnews) (Foto: Reprodução GloboNews)
Agente chega a Cidade da Polícia com um aquecedor onde eram ocultos os fuzis (Foto: Henrique Coelho/G1)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário.

ORTHO100

ORTHO100
.