RADIO WEB JUAZEIRO : VEJA O VÍDEO - TATUADORA FAZ SUCESSO COM TATUAGENS BIZARRAS

segunda-feira, 31 de julho de 2017

VEJA O VÍDEO - TATUADORA FAZ SUCESSO COM TATUAGENS BIZARRAS

Com bom humor, jovem faz tatuagens 'malfeitonas' em Salvador: 'Não sei desenhar'

Helen Fernandes, de 26 anos, adota um estilo diferente do convencional. 'Não é com técnica, mas é engraçadinho', celebra.

Por Juliana Almirante, G1 BA

Com bom humor, jovem faz tatuagens 'malfeitonas' em Salvador: 'não sei desenhar'

A tatuadora Helen Fernandes, de 26 anos, moradora de Salvador, conhecida nas redes sociais com o perfil de “Malfeitona”, adota um estilo de tatuagem diferente do convencional.

A ideia é que o desenho saia "peba" - expressão regional que quer dizer "sem qualidade". Para isso, Helen dispensa retoques, mas capricha no bom humor.

"Eu gostava de desenhar, mas não sei desenhar. Não é com técnica, não é bem aceito, mas é engraçadinho. Eu olho para o que eu quero desenhar e o primeiro que eu fiz eu deixo. Mas realmente eu faço o meu melhor", conta Helen ao G1.
Desenho do Boneco Dolly, logo após ser tatuado na pele de Paula
 (Foto: Juliana Almirante/ G1)

Ela atua profissionalmente no ramo desde março, atendendo clientes em casa. Há um mês, ela divide um estúdio no bairro da Graça, em Salvador, com sete tatuadoras – todas mulheres. Desde que começou o trabalho como tatuadora, já foram cerca 50 tatuagens "malfeitonas".

Os desenhos das tattoos “malfeitonas” têm influência na cultura "nerd", além dos famosos “memes” da internet.

“A principal ideia é que tenha humor e seja engraçado. ‘Malfeitona’ vem do jeito que as pessoas falam e já mostra que a coisa é malfeita, o nome mesmo já diz”.

O G1 acompanhou uma das sessões de tatuagens feitas por Helen, quando as versões "malfeitonas" das personagens Mônica, criada por Maurício de Souza, além do boneco do refrigerante Dolly, ganharam a pele da produtora Paula Dias, de 20 anos.

"Conheci o trabalho dela através do Instagram da 'Malfeitona'. Com essas duas, agora tenho 35 tatuagens. É um trabalho diferente. É um trabalho contemporâneo, abstrato e orgânico. Ela consegue misturar tudo", opina Paula.
Versão do personagem da Mônica como tatuagem 'malfeitona' (Foto: Reprodução)

Helen diz que o ofício de tatuadora começou quando ela "riscou" a pele do namorado, há cerca de um ano. Depois disso, ela começou a tatuar amigos e, já que o custo do material é caro, começou a cobrar pelas tattoos.

Helen começou a ver a tatuagem como fonte de renda, já que estava desempregada - depois de concluir a graduação em engenharia química. Atualmente, ela faz mestrado na Universidade Federal da Bahia (UFBA).
Helen Fernandes divide estúdio com sete tatuadoras, em Salvador (Foto: Juliana Almirante/ G1)

“Foi sugerido pelos meus amigos e pelo meu namorado. Eu comprei um kit pela internet e fui fazendo a primeira tatuagem com meus amigos e depois fui comprando material melhor, para fazer com os clientes”, relata.

Já a técnica de tatuagem foi aprendida com uma tatuadora, em um só dia. Antes disso, a experiência mais próxima que ela tinha foi trabalhando com limpeza em um estúdio de tatuagem.

Assim como as tatuagens tradicionais, o desenho primeiro é riscado em um papel e copiado para a pele do cliente. Helen conta que desenha de caneta, o que acaba deixando alguns riscos a mais, que podem não ser apagados na tatuagem, a depender do cliente. A intenção é que seja o mais natural possível.


Helen leva para a pele dos clientes geralmente os desenhos que ela mesmo cria ou de ideias trazidas por eles. “Normalmente, eu só faço o que eu costumo desenhar. Também não quero copiar de outro artista. Mas já fiz muitos desenhos comuns, como coração e linhas simples”, diz.

O preço mínimo é de R$ 100, por conta do custo do material, mas Helen costuma fazer promoções, principalmente quando é mais de uma tattoo.

Tatuadora de 26 anos atua no estilo "trashtattoo", em Salvador

(Foto: Juliana Almirante/ G1)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário.

ORTHO100

ORTHO100
.