RADIO WEB JUAZEIRO : MORRE EM SÃO PAULO A ATRIZ RUTH ESCOBAR

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

MORRE EM SÃO PAULO A ATRIZ RUTH ESCOBAR

Ela sofria de Alzheimer e morreu na tarde desta quinta-feira (5) no Hospital 9 de Julho, na Bela Vista.

Resultado de imagem para RUTH ESCOBAR

Por G1 SP, São Paulo
A atriz Ruth Escobar durante a estréia do musical "Marília Pêra Canta Carmen Miranda", no Tom Brasil, em São Paulo, em 2006 
(Foto: João Sal/Folhapress/Arquivo)

A atriz e produtora Ruth Escobar morreu na tarde desta quinta-feira (5) aos 81 anos, informou a Associação de Produtores de Espetáculos Teatrais do Estado de São Paulo (Apetesp). Ela morreu entre 13h30 e 14h, no Hospital 9 de Julho, na Bela Vista.

Maria Ruth dos Santos Escobar nasceu no Porto, em Portugal, em 1936, e se mudou para o Brasil em 1951. Ela foi uma das mais notáveis personalidades do teatro brasileiro, empreendedora de muitos projetos culturais, especialmente comprometidos com a vanguarda artística.

Ruth sofria de Alzheimer e vinha sofrendo com a doença nos últimos anos. O velório dela deverá ocorrer no teatro que leva o nome dela, que fica na Bela Vista. O horário ainda não foi definido.

A filha de Ruth, a cantora e atriz Pat Escobar, lamentou a morte da mãe em sua página no Facebook. "Partiu! Mãe! Saudades de tudo! O Christian estará aí para te receber! Agora só amor, paz, descanso... saudade!”, dizia a mensagem.
Filha de Ruth, a cantora e atriz Pat Escobar, lamentou a morte da mãe em sua página no Facebook 
(Foto: Reprodução/Facebook)

Perfil

Ruth Escobar montou a companhia Novo Teatro, com o diretor Alberto D'Aversa, e protagonizou em peças escritas e/ou dirigidas pelo marido, Carlos Henrique Escobar. Ela foi a estrela de espetáculos como "Antígone América" (1962), "Mãe Coragem e Seus Filhos", de Bertolt Brecht, em 1960, e "Males da Juventude", de Ferdinand Bruckner, em 1961, ambas dirigidas por D'Aversa. 

Em 1964, passou a investir mais no teatro popular, transformando ônibus em palcos e levando peças para várias regiões de São Paulo, no projeto Teatro Popular Nacional. Na década de 60, produziu peças como "Júlio Cesar", de William Shakespeare.

Nos anos 70, produziu peças como "Missa Leiga", de Chico de Assis, com direção de Ademar Guerra, em 1972. A montagem causou polêmica por ter sido proibida de utilizar a Igreja da Consolação como palco: foi encenada em uma fábrica.

Nos anos seguintes, ela se dedicou ao Centro Latino-Americano de Criatividade e ao Festival Internacional de Teatro, em São Paulo. Outra iniciativa de Ruth foi a Feira Brasileira de Opinião, em 1976, com espetáculos dos mais importantes dramaturgos da época. O evento foi "interditado" pela censura.

Em 1977, ela voltou a atuar. Ela interpretou Ilídia de "A Torre de Babel" e trouxe a São Paulo o autor Fernando Arrabal para dirigi-la.

A lista de peças ganha novos capítulos com "Caixa de Cimento", quando foi dirigida por Juan Uviedo; e "Fábrica de Chocolate, peça que ela produziu a partir de texto de Mario Prata sobre tortura.

Nos anos 80, ela dá uma pausa na carreira e é eleita duas vezes deputada estadual. Na mesma década, em 1987, lança o livro "Maria Ruth - Uma Autobiografia".

Em 1990, retorna aos palcos, numa encenação de Gabriel Villela, de Relações Perigosas, de Heiner Müller. Também nessa década, retorna aos palcos, numa encenação de Gabriel Villela, de Relações Perigosas, de Heiner Müller.
Ruth Escobar em 1982 (Foto: Estadão Conteúdo/Arquivo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário.

ORTHO100

ORTHO100
.