RADIO WEB JUAZEIRO : CONTO DO PROFESSOR OTONIEL GONDIM

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

CONTO DO PROFESSOR OTONIEL GONDIM

 LEINOTO : O INVENTOR INVOCADO


No seu humilde início de ser um ser pensante, LEINOTO pressupunha que nada mais ao mundo carecia de invencionice. Os inventores, então, tinham feito em excelência e acachapadamente bem os seus devidos serviços. “ Classe danada. “, infelizava-se em balbucios lamentócios . “Poxa, como queria ser um deles! Qualquer coisinha e tava bom, ótimo, bótimo.“. Mas, restava o que? Assim navegando nos resígnios, desistiu fácil da ideia prepositiva. No passar dos tempos, porém, foi notando falta disso, num tem daquilo, vazio aqui, vácuo acolá. Algo, na espreita, o esperava. Num daqueles supetões onde a vida resolve presentear de única e última oportunidade, decidiu retomar-se iniciozinho. Inventaria, sim. Nem que inventasse a invenção de si mesmo como inventor. Desse feto, surgiu LEINOTO : O INVENTOR INVOCADO.

De antemão, daria ombros, viraria os olhos, nem aí, para descobertas tipologistas modais: Tecnologia de ponta, cura de câncer, de escassez imunológica, máquinas estonteantes velocimetrais, robôs pós-antenados, drogas ultra-céus, e por fora aí.

Muito pelo inverso, enveredaria pelo caminho cotidiano do simples., embora entrementes anticonvencionais. Invencionices que dessem margens a diminuírem o estresse, batida forte de pé no chão, suadeira de testa, murro na parede, xingamento, raiva caras e bocas momentânea . Conquantemente, dessem margens a aumentarem a eficacez /rapidez/normalidez em singelos atos práticos. Aliviando, nesse rojão e ínterim, cotidianas tensões e sossegando possíveis eminentes barulhos, transtornos emocionais, recalques diversos, cismas e desavenças extra e intra sensoriais.

Pronto, preceitos em acordo, de resto era buscar o que inventar. Pois, moléstia e benéstia à parte, o mais difícil acabara de renascer nele : O INVENTOR. E INVOCADO da mamãe. Né pai?

Lembrou de umas tiradas geniais filosóficas prosaicas de Charles Bukowski sobre manicômio e adaptou-as, orgulhoso só ele, ao seu staff: “Quem leva uma pessoa ao manicômio não são as grandes tragédias pessoais, tais como, a perda de uma fortuna ou a perda do grande amor da sua vida. São espécimes simples de ações inacabadas e aterrorizantes que infernizam los nostros day the day ( Amo isso...). Por exemplo, não conseguir amarrar rápido e direito o cadaço do sapato, derramar cerveja em si, escorregar num chão molhado do banheiro, ser xingado no trânsito por uma mulher, comer espetinho e saber após que foi de gato, ou por mero desleixo deixar evaporar por completo o chá verde. As sequências dessas coisitas é que, acumulando-se, finda por levar uma pessoa ao manicômio. Nem que seja ao manicômio intrínseco, in loco, do auto-eu.“.

Desse proselitismo, a LEINOTO adveio a ideia de catar probleminhas por aí e elucidá-los através de descobertas e inovações inéditas inventivas. Só que quase desistiu quando pôs no ar, na prática, pelos meios alastrantes, a primeira invenção. Não era para menos apostar em algo qual, embora louvável e revolucionária na teoria, se arvorava muito perigosa. Foi, mesmo sabedor dos grandes riscos e das possíveis perdas, em frente com determinismo Descarteano e Socratismo destemor.

Ai, ai, ai, Helena, olha só: Uma maneira de levantar, moralmente e fisicamente estéticos, os seios derrubados e molengas das mulheres. Desse certo o acolhimento, tome patenteamento. Além de novo rico do pôr do sol ao amanhecer, se encheria de peitudas de respeito e orgulho aos seus pés, á sua boca, à sua língua.

LEINOTO, afoito só ele, achou-se por bem de observar as agruras mulherais quanto ao desenvolvimento científico. Bem sacou isso, que remediava sempre a si: “Como desenvolver algo tão difícil que são as pílulas de levantar, guinchar, eretar o pau mole de um homem e não conseguir nadicas-nada de benefícios em prol dos seios caídos das pobres mulheres complexadas, em razoável razão, com isso ?“. Achou que a ciência, o mundo de carona, tornara-se extremamente cacetuda e machista. Nessa estrada, humano e solidário às coitadinhas, pragmatizou inventar algo a subirem a autoestima feminal e os ditos caídos por uso demasiado, anatomicoismo genético familiar e, por fim, exemplo contumaz de aplicação da Lei da Força Gravitacional de Isaac Newton. Num bojo, mataria vários coelhos de cajada única: A pergunta-piadista –maliciosa-de baixo calão: “E aí, vai querer com ou sem? “ e a feiura de deixar às mostras as alças dos sutiãs, pré indicativos que os danados rebeldes eram ... cê sabe, né ?.

Meteu-se de cabo a rabo na invenção e nem deu ousa pensar no fracasso de sua empreitada. “Nesse sentido é que surge os grandes ...e os grandes inventores! “, dizia caladinho, justificando-se apenas aos seus botões e borbotões. Esquecendo que quando dá com os “ burros n’água “ é que são elas.

Pior que deu.

Deu em merda. Ah, e bote merda nisso!

Seguindo os passos da invenção denominada “OPERAÇÃO LEVANTA“ :

1) Líquido massageador. Um que, além de fixador, fosse anestésico por tempo determinado de manuseio ( As mulheres, dependendo do affair, determinariam esse ‘time’. ). Ficou problemático nos primeiros testes, pois, cicatrizes, posicionamentos maus adequados nas massagens, alergias ao produto, desaprovação ao odor, implicaram prováveis fatores desistivos.

2) Spray. Sim. Nos devido bicos, de seis em seis horas, deixariam os benditos em forma. Porém, decorridos tempos de uso, correria-se o risco probabilístico desgastal pelo qual não haveria um bico de pé. Outra problemática. Outra desistência.

3) Essa, seria a última das moicanas. Portanto a ideal. Um guindaste oculto, ultra-microscópico, por baixo, que, através de um sensor calorífico-térmico imperceptível, impulsionariam os desejados aos poucos diante de um pensamento positivo predestinado. Deu certo. Tava dando certo. Certíssimo. Inté num dá mais. O efeito da Terceira Lei de Newton ( Ah, Newton, tu tomém ...aliviasse, cara! ) ‘Ação-Reação’ terminou por levar tudo a esvair-se: Testes e esperanças. Lembra dos tais “ Burros n’água ? “. Apois pois, na primeira esturricada masculina agressiva, tudo ia por água abaixo, inclusive o sexo-namoro. Sem contar a forte rejeição feminina pelo medo de bastar tascar o pensamento de possíveis choques. Fim da ideia revoluciovisionária.

E deu entrada a contagem progressiva dos intermináveis processos, descambando no inferno astral de ver, por anos a fio descascado, o sol nascer todos os dias quadradinho da silva. 

Motivo: Motivar, sem base experimental científica e de eficácia, o usuário a utilizar material ilegítimo, contravencional, impróprio à saúde, pondo em risco a integridade física, financeira e moral do mesmo. Mais: Comprovado, por testemunhas-clientes, relevante induzimento sócio-sexual-mental-comportamental-sonhador a esteio enganoso solucionático de problemas intrínsecos à performance de melhorias modelais de embelezamento estético a elevar, concomitantemente, a auto estima do usuário. 

Drasticamente deu-se o assassinato da, LEINOTO nunca negou vociferar assim, maior invenção que equipararia o homem à mulher: Pau sempre duro e Peito eternamente empinado!

Fazer o quê?

Já em liberdade, apenas viu-se injustiçado por um juizeco com problemas conjugais-sexuais. Pelos quais descontou nele e na sua invenção, o incriminando por tentar fazer o bem a quem bem precisa de um bem. Nem precisou olhar no espelho para refletir-se herói. Assim, de carma mais auto valorizado, retornou ao incisivoísmo inventorial.

Num é que deu certo? Finilalmente.

LEINOTO, era um sagaz perseguidor do amor. Sempre a querer por que querer um amor. Danado difícil, depois de tantos amancebamentos, solteirices, tomes ponta e levas ponta. Um dia a tentar fixar um cartaz num local, sofreu até conseguir designou de soberba façanha .”Ô Durex f,d.p. ! ”, grunhia. Tava que tava difícil achar a ponta do Durex. Inisitia, unhava o rolo, nada. Se emputecia a cada tentáculo. Geniou e descobriu o por quê de não encontrar o amor . 

Geniou assim, ora :

“ SE TÁ TÃO DFÍCIL ENCONTRAR A PONTA DO DUREX ... 

IMAGINE ENCONTRAR O GRANDE AMOR DA MINHA VIDA ! “ .

Assim, inventou e fez a primeira de muitas descobertas que lhe rendem aposentadoria próspera até hoje: Como, com rapidez e eficiência, encontrar sem xingar a Deus e ao Diabo a ponta do Durex !!!

Simples ,

1) Primeiro não tente, forçosamente, cravar a unha ou ficar raspando-o. Só aumentará a dificuldade e o nervosismo de não conseguir algo tão infantil e simplório, dando-lhe uma auto mecha de burrice e inoperância. Observe bem onde o Durez parou de ser manuseado.

2) Agora, casquetei um pouco com a unha. Moderada e educadamente.

3) Pegue um pouco de água quente, pode ser um morno pano, e ponha nesse local. Espere alguns segundos e remova.

Sucesso total, absoluto, unânime. Patente firmada e a grana entrou pro INVENTOR INVOCADO LEINOTO. Palestras, debates, entrevistas, ECAD.

Mas, inventor que é inventor nem pensar parar de inventar.

Lembrou da casa da Mamãe. Tinha uma irmã, dona de loja e que abastecia com solicitudes a casa de guloseimas , frutas, o escambau de bom. Porém, dotada de um gravitacional defeito: Virava o cão chupando manga se a acordasse cedinho. Probleminha, não. Problemão. Pois, sobrinhos e LEINOTO eram dotados de um hábito alimentar digno: Adoravam vitamina justinho nesse horário inóspito. E aí ? E aí , lascou barulho !

Lascou briga. Lascou entreveros. Lascou buscar raciocínio. Lascou queimar a cuca pro funcionamento . Um dia desses que ninguém acha que não vai dar nem regue, nem chuva, nem sol, nem luar , num estalo , LEINOTO fez o pelo sinal da santa cruz e gritalegrou : Eureca ! Eurico ! Invenção !

Num foi que inventou o liquidificador silencioso? Mais grana pro INVOCADO . Também , observemos os magistrais percaminhos :

1) Liquidificador de qualquer potência, desde que o copo o seja de plástico polimerizado termo-resistente, transparente e fino.

2) A base com encaixe justo e firme. No rotor, que move as paletas, pôr uma especial mistura miscível de óleos . Acrescentar, para uma solubilização completa, um tipo de parafina líquida laboratorial especialmente feita para tal finalidade.

3) Pode ligar à vontade no um, no dois, no três. Nem chuá faz. Igual motor de carro novo. E, ainda, economiza uns bons Kwh na conta mensal.

· Obs.: Todo material e ingredientes deverão ser adquiridos, exclusivamente, nas Lojas LEINOTO’S GO.

E, LEINOTO : O INVENTOR INVOCADO, danou-se mundo afora-dentro a inventar paracéunálias e parainfernálias. Lista? Ei-las algumas :


I) Cachorro e gato mecânico. Por que não comem, não brigam, não azunham , não mordem, não bufam, não defecam no quarto, não sobem no sofá e nem precisam de nome inglês. 

II) Oração perispiritual para facilitar o aprendizado infantil de Matemática. Descontar a raiva herdada da tabuada de vezes que se obriga até hoje não a aprender, mas, a decorar. 

III) Ilusionismo de uma noite com Sol. Fazer boemia ao avesso. 

IV) Colírio especial para evitar o chororô, sem um pingo de graça, ao cortar cebola. Peninha das domésticas, fê-lo gratuitamente. 

V) Tampão-peido útil em elevadores, reuniões, salas de aulas. Por ter, inúmeras vezes, passado tal deprimente estágio na região ultra-interior-abdominal. 

VI) Kit “Mamãe, quando crescer, quero LGBT“. Viralizou modal e um belo retorno pro bolso. 

VII) Perfume-Simpatia. À base de uma mistura cujo princípio ativo é o gás hilariante. Posologia: Dose toda manhã, pós-banho. A pessoa se perfuma toda e ao chegar perto de um porteiro de boate, vizinho nojento, gente gentinha, sogra sogrona, recepcionista concursada de hospital e órgão público, cobrador de ônibus , quaisquer outros ‘marrentos indesejáveis’ do mesmo naipe, os mesmos ao sentirem o exalo hilariante, sorriem e se coçam com tamanha simpatia chega dar inveja a qualquer avó. Precisa dizer do estrondoso aceito? 

E mais muito e muito mais. 

“ Navegar , não é preciso. Descansar, sim. “, poetizando filosofou ... E se enganou. 

Pensava-se aposentado. 

“ Nada como um dia atrás do outro “. Quem havera de nunca ter ouvido tal isso?. Pois , num dito desses dias, LEINOTO começou inquietação de que o próprio e o vasto universo estavam em deveras dívidas para com um determinado ALGO e que a sua missão destinária findaria se O inventasse. Determinado ALGO que era o mais de todos os mais e o poria, soberanamente, na realeza terráquea e celestial: O AMOR !!!

Aquele amor que quando a gente não encontra, e tenta e tenta e tenta, se tangencia infinitando-se ao distante cada vez mais longe. Pode-se inventá-lo cá perto bem dentro aqui ?

LEINOTO, num sossego sem sossego. Queria por que queria inventar o amor. E que não desse tanta dor de cabeça, insônia , bebedeira , decepção e trabalho. UM AMOR PERFEITO.

Pela sete vezes sete ... vezes setenta ... vezes setecentas .. .vezes se ... ele, encasqueado, tentou. 

Ufa ! Exausto e vencido, LEINOTO definitivamente desistiu de inventar. Desta vez, por um motivo simples. Simples?

O mundo e ele já nasceram com amor e do amor. 

E o AMOR não se inventa, ..se o busca , se o adquire , se o conquista. È só AMAR AO PRÓXIMO !!!

LEINOTO, feliz e realizado, concluiu repleto de um si orgulhoso : EU SOU O AMOR .

Disso ele sempre soube. 

E você ???



Otoniel Gondim --- Professor, Escritor e Compositor.

[sic]

52 comentários:

  1. SENSACIONAL. TODAS AS PALAVRAS ELOGIOSAS SERÃO POUCAS PARA UM CONTO TÃO SUBLIME. SENSACIONAL.

    ResponderExcluir
  2. A do Durex é de morrer de rir. kkkk

    ResponderExcluir
  3. ADALBERTO, OTONIEL COPIA DE ONDE ESSAS COISAS? INVENTA? ENTÃO, O INVENTOR É ELE?

    ResponderExcluir
  4. Adorei. piadista.Genial.

    ResponderExcluir
  5. a CIDADE EM PESO VAI COM CERTEZA AO LANÇAMENTO DESSE LIVRO DE CONTOS DO MESTRE gONDIM. sOU PRIMEIRÍSSIMA FILA.

    ResponderExcluir
  6. Por isso é sempre sucesso. escreve o que menos esperamos. pensei política e veio esse magnífico conto. Dez.

    ResponderExcluir
  7. Realmente liquidificador é o ó. Durex pior. E peito caído então....rsrsrsrsrsrsr

    ResponderExcluir
  8. Mais ou menos. Longo. Num entendi o recado.

    ResponderExcluir
  9. KKKKKK AS PEITUDAS VÃO DESCER O PAU NO PROFESSOR! KKKKK

    ResponderExcluir
  10. muita versatilidade. esse, mariano, é o enorme diferencial do mestre para os súditos. otoniel se supera por cima.o amo!

    ResponderExcluir
  11. Otoniel Gondim, já tem data pro livro? Lindo conto!

    ResponderExcluir
  12. Um conto fuleragem e preconceituoso.

    ResponderExcluir
  13. Corri para ler. Soberbo e diferente de tudo. Muita inspiração!

    ResponderExcluir
  14. GONDIM, COMANDA MESMO A POLÍTICA E ACULTURA DESSA TERRA!

    ResponderExcluir
  15. Vai ver a mulher dele tem peitão.rskrskk

    ResponderExcluir
  16. ANALISAR ITEM POR ITEM NÃO JÁ BASTA. A MENSAGEM É MOSTRAR QUE TEMOS TOTAIS CONDIÇÕES DE INVENTAR COMO MELHORAR A VIDA DOS OUTROS. ENTENDI ISSO. ADMIRÁVEL .

    ResponderExcluir
  17. O PETRALHA MUDOU DE ASSUNTO? LULA NA CADEIA!

    ResponderExcluir
  18. ANANDA VAZ . AMO GONDIM!9 de janeiro de 2018 20:55

    De onde extrai tanta coisa , é um mistério. Porém, o amo Gondim!

    ResponderExcluir
  19. Cara...soberbo!

    ResponderExcluir
  20. Arrasou num belo de um conto. Arrasou.

    ResponderExcluir
  21. Sempre nos surpreende com ótimos textos.

    ResponderExcluir
  22. QUANDO MENOS SE ESPERA , VEM GONDIM COM FORÇA IMPRESSIONANTE EM UMA CRÔNICA-CONTO. ADOREI.

    ResponderExcluir
  23. Decifei meu querido profesor; LEINOTO é OTONIEL ao contrário! Excepcional isso...Só voc~e! Massa. kkkkkk

    ResponderExcluir
  24. sem dúvida, adalberto mariano, otoniel põe no chinelo muito escritor famoso desse país. um g~enio bem pertinho da gente.

    ResponderExcluir
  25. MARY SANTANA. AMO OTONIEL GONDIM.10 de janeiro de 2018 01:08

    LEINOTO É UMA PALAVRA: OTONIEL AI INVERSO. GRANDE!

    ResponderExcluir
  26. É REALMENTE UM BELO CONTO. FILOSOFIA, HUMOR, ANALOGIA, LÓGICA, INSPIRADOR E REFLEXIVO. UM BELO CONTO. TEMOS GÊNIO NA TERRINHA.

    ResponderExcluir
  27. Acordando para voltar a juá e leio esse maravilhoso jogo de idéias, alegrias e reflexão. Otoniel me representa e representa melhor que todos a minha terra juá. Parabéns, também, ao Blog de mariano.

    ResponderExcluir
  28. ADALBERTO E BLOG: OTONIEL É OU NÃO É MELHOR EM CONTOS? CHEGA DE POLÍTICA!

    ResponderExcluir
  29. OSVALDO LIMEIRA. PROF.UNIVASF.10 de janeiro de 2018 04:53

    Nem tem como não tirar o boné para essa figura singular e cultural que é o meu professor de Química. DEZ.

    ResponderExcluir
  30. Sai , petralha reoltado!

    ResponderExcluir
  31. ROSIVALDO LAURENTINO10 de janeiro de 2018 04:54

    Excelente. Excelente. Excelente.

    ResponderExcluir
  32. TODO O CONTO É DEMAIS, MAS, O FINAL SE SUPERA. LINDO.

    ResponderExcluir
  33. Leinoto é Otoniel ao contrário! Matei....

    ResponderExcluir
  34. NICINHA DO SANTO ANTÔNIO10 de janeiro de 2018 04:56

    Lindo. Esplêndido. O Livro vai bombar, amigo.

    ResponderExcluir
  35. IVONEIDE LINS.. VOTO EM VOCÊ, GONDIM!10 de janeiro de 2018 04:57

    VERDADE QUE VAI SAIR A DEPUTADO PELO PT, GONDIM? TÔ COLADO!!!

    ResponderExcluir
  36. O CONTO É MAGNÍFICO. O FINAL FECHA COM OURO MACIÇO. MAGNÍFICA POSTAGEM, ADALBERTO BROTHER.

    ResponderExcluir
  37. Imagino o artigo que vem desse aloprado professor a rspeito dao julgamento de Lula, dia 24 deste. tremei-vos coxinhas!

    ResponderExcluir
  38. Mas, Leinoto morreu como? kakakakakak

    ResponderExcluir
  39. Lula na cadeia.. e Gondim muda de tema. Chorando na rampa!

    ResponderExcluir
  40. Tanta bobagem...vai procurar o que fazer, cara de bufa!

    ResponderExcluir
  41. um conto digno dos contistas mineiros rubens paiva, paulo mendes campos, otto lara, etc. juazeiro bem servido. valeu, mestre gondim!

    ResponderExcluir
  42. LER OTONIEL É LER COM GOSTOSURA, AMOR À ARTE. ADORO LÊ-LO, AMIGO.

    ResponderExcluir
  43. POUCA COISA SE SALVA. ENROLAÇÃO.

    ResponderExcluir
  44. Amei muito. Espero mo Livro. Comprarei um monte para grandiosos presentes. Amei.

    ResponderExcluir
  45. TÂNIA CORDEIRINHA. AMO ESSE PROFE!10 de janeiro de 2018 14:29

    SIMPLESMENTE....ARRASOU! BOMBOU!

    ResponderExcluir

Obrigado por seu comentário.