RADIO WEB JUAZEIRO : CASO BEATRIZ MOTA: DELEGADO DIZ QUE AS INVESTIGAÇÕES CONTINUAM AVANÇANDO

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

CASO BEATRIZ MOTA: DELEGADO DIZ QUE AS INVESTIGAÇÕES CONTINUAM AVANÇANDO

“Temos avançado nas investigações”, diz Delegado de Petrolina sobre caso Beatriz 

Por Robério Sá

Delegado de Polícia Civil de Petrolina, Marcone Ferreira.

O Delegado de Polícia Civil, Marcone Ferreira, voltou a comentar sobre o caso da “Menina Beatriz”, durante entrevista a emissora de rádio de Petrolina, no Sertão do São Francisco, nessa quinta-feira, dia 15.

A autoridade realizava um balanço do trabalho da polícia no Carnaval 2018 da cidade, quando ouvintes passaram a telefonar e questionar o trabalho de elucidação do caso – que completou mais de dois anos – pela Secretaria de Defesa Social (SDS).

Falando sobre o caso da menina Beatriz Angélica Mota, assassinada dentro do Colégio Maria Auxiliadora, e que até o momento não foi solucionado, o delegado, que já passou pela coordenação da investigação, pediu a população para continuar acreditando no trabalho da Polícia Civil.

Para Marcone Ferreira, o caso possui solução, tendo em vista que falta apenas o autor ser preso. “O que está faltando é a qualificação do autor, pois o autor foi identificado nas imagens, é um avanço significado nas investigações. O autor já está lá na imagem, há vídeos, fotos do autor desse crime, então a gente precisa avançar no sentido de saber quem é”, explicou.

De acordo com o delegado, o autor do crime realmente é o que aparece nas imagens das câmaras de vídeos. Ele, ainda, descartou qualquer tipo de ingerência ou limitação nas investigações.

“Temos avançado nas investigações, hoje temos a frente do caso a Poliana Nery até mesmo porque há necessidade, não tem nada disso de que delegado A ou B é pior, na verdade não tem como um único delegado ficar sempre nos mesmos casos, pois ele tem outras atribuições e a SDS tem entendido que há a necessidade de fazer esse revezamento”, disse Marcone Ferreira, acrescentando: “Essas mudanças não atrapalham no processo porque tudo é passado, todos os detalhes são passados para o outro delegado que assume e ele só vai dar continuidade”.

O delegado, ainda, afirmou que o caso possui prioridade de resolução dentro da Secretaria de Defesa Social (SDS). “É um caso que SDS deu prioridade número um até que se esclareça o crime”.

CASO DE BEATRIZ

Beatriz foi assassinada com 42 facadas dentro de um dos mais tradicionais colégios particulares de Petrolina. O crime ocorreu dentro da quadra onde acontecia a solenidade de formatura das turmas do terceiro ano da escola. A irmã da menina era uma das formandas.

A última imagem que a polícia tem de Beatriz foi registrada às 21h59, quando ela se afasta da mãe e vai até o bebedouro do colégio, localizado na parte inferior da quadra.

Minutos depois, o corpo da criança foi encontrado atrás de um armário, dentro de uma sala de material esportivo que estava desativada após um incêndio provocado por ex-alunos do colégio. Até hoje ninguém foi preso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário.