RADIO WEB JUAZEIRO : COLORINDO A HISTÓRIA

terça-feira, 17 de abril de 2018

COLORINDO A HISTÓRIA

Imagens históricas ganham cor nas mãos de artista mineira

O trabalho de Marina Amaral, de 23 anos, ganhou repercussão internacional através da internet. Um dos projetos dela é 'colorir' as quase 40 mil fotos do acervo do Museu de Auschwitz.

Por Thais Pimentel, G1 MG, Belo Horizonte
Tropas aliadas desembarcam na Normandia no dia D. 
(Foto: Marina Amaral/Arquivo pessoal)

Quando as tropas aliadas desembarcaram na Normandia, no chamado Dia D, na 2ª Guerra Mundial, o céu estava azul? A icônica espiã Mata Hari costumava se vestir de esmeraldas e rubis? Que cor eram os cabelos da polonesa Czeslawa Kwoka, prisioneira do campo de concentração de Auschwitz?

Imagens que antes só contavam o lado preto e branco da história estão ganhando tons diferentes nas mãos da mineira Marina Amaral, de 23 anos. Meio sem querer, ela começou a usar o Photoshop para “colorir” fotos antigas. A atividade começou como um passatempo aos 13 anos. Tempos depois, graças à internet, seu trabalho ganhou o mundo e foi transformado em profissão.

“Sempre gostei de história e comecei a fuçar as possibilidades do Photoshop há dez anos. Depois eu comecei a colorir fotos antigas e divulgar na internet. A repercussão de muitas delas foi tão grande que eu tive que largar a faculdade de Relações Internacionais para me dedicar a esta profissão, que eu nem sabia que era profissão (risos)”, disse Marina.

 
A artista Marina Amaral transforma fotos antigas com o uso de cores no Photoshop.

Auschwitz

Uma das fotos que viralizaram foi a de Czeslawa Kwoka, de 14 anos, prisioneira do campo de concentração nazista de Auschwitz durante a 2ª Guerra Mundial, morta em 1943. Marina fez a foto em 2016, mas ela ganhou repercussão há poucas semanas por ter sido compartilhada pelas redes sociais do Memorial e Museu de Auschwitz-Birkenau, na Polônia.

“Eu fiquei muito surpresa e feliz com esta atitude do museu. Agora, o museu e eu vamos começar um projeto para colorir as fotos do acervo de Auschwitz. São quase 40 mil fotos. É um trabalho muito especial e devo ir conhecer o museu nas próximas semanas”, disse a artista que também pretende documentar sua visita à Polônia.

Além do Memorial e Museu de Auschwitz-Birkenau, Marina tem recebido convites de outras instituições da Europa e dos Estados Unidos para que imagens em preto e branco ganhem versão colorida. “São muitos pedidos diferentes que chegam dos clientes. A maioria dos pedidos vêm de museus, de colecionadores. Mas também tem famílias que me procuram para colorir fotos afetivas”, contou Marina.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário.