RADIO WEB JUAZEIRO : GOVERNO TEMER VAI SENDO MINADO AOS POUCOS

segunda-feira, 7 de maio de 2018

GOVERNO TEMER VAI SENDO MINADO AOS POUCOS

Temer admite que parte da reforma da casa da filha foi paga pela mulher do coronel Lima


POR O GLOBO

Presidente Michel Temer participa de cerimônia em Brasília.
 Foto de Jorge William /Agência O Globo

Em entrevista que foi ao ar na noite deste domingo, O presidente da República, Michel Temer (PMDB), admitiu que parte da reforma da casa de uma de suas filhas foi paga pela mulher do coronel Lima, alvo de investigações e inquérito da Lava-Jato. Delatores da JBS disseram que entregaram R$ 1 milhão em propina ao coronel, que é amigo do presidente. A suspeita é que esse dinheiro tenha sido usado para fazer obra no imóvel de Maristela Temer em São Paulo. Em entrevista ao SBT, o emedebista disse que o pagamento foi legal e negou qualquer irregularidade.

Na entrevista ao programa "Poder em foco", que foi ao ar na noite deste domingo, no SBT, Temer reafirmou que pode abrir mão de sua candidatura à reeleição para apoiar um nome de "centro". Ele indicou os nomes de possíveis aliados na campanha eleitoral. Segundo Temer, "se necessário", ele abriria mão da candidatura "com a maior tranquilidade".

Temer citou nominalmente Geraldo Alckmin (PSDB), Henrique Meirelles (PMDB), Flávio Rocha (PRB), Afif Domingos (PSD) e Paulo Rabello de Castro (PSC) como possíveis companheiros de chapa. Quando perguntado se havia esquecido Rodrigo Maia (DEM), Temer respondeu que também considerava o presidente da Câmara.

— Se nós quisermos ter o centro, não podemos ter 7 ou 8 candidatos. A classe política precisa se mobilizar para que escolha um nome de centro — afirmou o presidente.

Na sexta-feira, em entrevista à EBC, Temer fez declaração semelhante, mas não havia citado o nome dos possíveis aliados. No fim da semana passada, Alckmin telefonou ao presidente, segundo interlocutores do Palácio do Planalto, e ouviu de Temer que ele seria recebido para uma conversa sobre eventual aliança para a disputa presidencial. A ligação serviu para uma abertura dos diálogos neste sentido.

Sobre a possível canidatura de Joaquim Barbosa à Presidência pelo PSB, Temer disse que é um nome "bem recebido", mas não acredita que possa ter sucesso na campanha apenas "por ser negro" ou "porque foi pobre".

— Se me permite, eu não concordo com o fato de ele ser presidente porque é negro. Nem ser presidente porque foi pobre. Pobre eu também fui. Eu tive uma infância… parece que não, mas eu para ir à escola andava 6 quilômetros, para ir e para voltar. O Lula foi pobre. Não é esta razão que vai fazer com que fulano seja ou não seja presidente.

Temer também foi questionado sobre o inquérito dos portos, do qual é alvo. Mas não se sentiu confortável em falar sobre o assunto. Afirmou que a reforma da casa de uma de suas filhas, Maristela Temer, foi realizada com “absoluta licitude”.

— Eu lamento que estejamos conversando sobre isso ao invés de conversarmos sobre o Brasil.

Na última quarta-feira, Polícia Federal (PF) colheu depoimentos no inquérito que trata do caso e investiga se Temer recebeu propina de empresas do setor portuário. O foco das oitivas foi aprofundar a apuração sobre a reforma, que teria sido bancada pelo coronel João Baptista Lima, amigo de Temer e acusado de receber dinheiro sujo em nome dele.

A PF ouviu fornecedores de serviços contratados para a obra.

— Foi uma reforma regularmente paga, regularmente esclarecida. Eu não tenho os dados do depoimento que ela prestou ontem (quinta-feira) ao delegado da Polícia Federal, mas soube que foi tudo pelas melhores — disse Temer.

Sobre a recuperação da economia, Temer afirmou que o Produto Interno Bruto (PIB) do país em 2018 dificilmente chegará a 3% — previsão inicial da equipe econômica.

— Agora, a previsão é de 2,5% a 3%. Como agora se fala em 2,75%.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário.