RADIO WEB JUAZEIRO : CASAMENTO DE DEFUNTOS

.

.

quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

CASAMENTO DE DEFUNTOS

Familiares de casal morto na Bolívia fazem casamento antes do enterro

Procurado no país vizinho, suspeito do crime se esconde em São Paulo. Antes, abandou mulher e filha na rodoviária

Lumi Zúnica, da Record TV

Carla e Jesus foram declarados casados na Bolívia  -  Arquivo Pessoal

A família do casal de jovens assassinados na virada do Ano Novo na Bolívia promoveu uma cerimônia de casamento, na última quarta-feira (24), para os namorados Carla e Jesus pouco antes do enterro.

O casal comemorava o Réveillon na discoteca “Planta Baja”, em La Paz, capital da Bolívia, quando conheceram os irmãos Israel e Eliot Leon Fernandez. Os rapazes convidaram o casal para uma festa no mesmo dia casa de Israel. Em seguida, o casal desapareceu.

Verónica Aguirre, amiga do casal assassinado, informou a imprensa que durante o velório foram celebradas duas cerimônias. A primeira foi um culto em que Carla e Jesus foram declarados casados.

A segunda foi uma missa de corpo presente para dar adeus aos namorados. Não foi informado se o casamento tem efeitos legais.

Ao mesmo tempo em que o casal era velado, a polícia boliviana pedia o acionamento do alerta vermelho da Interpol para captura de Eliot León Fernandez, que fugiu para o Brasil e desembarcou em São Paulo na tarde do dia 18 de janeiro.

O crime

Carla Bellot e Jesús Cañisaire foram atacados com golpes na cabeça na casa dos supostos autores do crime, os irmãos Israel e Eliot Leon Fernandez.

Após receber o Ano Novo numa discoteca onde conheceram os suspeitos, os jovens foram convidados a continuar a celebração na casa de Israel, no subúrbio de La Paz, onde ela teria sofrido violência sexual e ela e o rapaz foram atacados.

As investigações das autoridades bolivianas concluíram que Carla e Jesus foram abandonados ainda com vida em sacos de farinha e que, provavelmente, levaram dias agonizando no interior de um túnel no rio Orkojahuira, em La Paz, capital boliviana.

Casal foi assassinado depois de uma festa em La Paz. Suspeito está no Brasil Arquivo Pessoal

Israel, um dos suspeitos, foi preso assim como sua irmã Micaela e o cunhado Renzo — estes dois por supostamente ajudar a ocultar os cadáveres.

Eliot, o segundo suspeito, fugiu ao Brasil com a mulher Priscila e a filha de um ano e dez meses. Ambas foram abandonadas na rodoviária da Barra Funda, em São Paulo, assim que desembarcaram na última quinta-feira (18).

Mãe e filha voltaram a Bolívia com ajuda do consulado boliviano na última terça-feira (23). Priscila declarou que tomou conhecimento dos crimes pelas redes sociais já na capital paulista e que teria viajado enganada pelo marido. Ele teria alegado ter conseguido trabalho na capital paulista como desculpa para a viagem.

Apesar das suas declarações e de ter se apresentado voluntariamente ao consulado boliviano, Priscila foi detida pelas autoridades andinas, que não acreditaram nas declarações da moça.

Eliot é o fugitivo mais procurado da Bolívia e estaria escondido em algum local de São Paulo.

Repercussão nacional

Os corpos achados em sacos de farinha no interior de um túnel no rio Orkojahuira aconteceu 19 dias depois após o desaparecimento e causou grande comoção nacional.

Até o presidente da Bolívia, Evo Morales, se pronunciou e pediu todo o rigor da lei para os encontrar e punir os suspeitos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário.