RADIO WEB JUAZEIRO : PRESIDIÁRIO NEGA PARTICIPAÇÃO NO CRIME DA VEREADORA MARIELLE
quinta-feira, 10 de maio de 2018

PRESIDIÁRIO NEGA PARTICIPAÇÃO NO CRIME DA VEREADORA MARIELLE

Preso, miliciano delatado no caso Marielle divulga carta: 'Não tenho qualquer envolvimento nesse crime bárbaro'

Orlando Oliveira de Araújo está preso por crime semelhante, como mostrou o G1 na quarta-feira (9). Ele é apontado como chefe de milícia na Zona Oeste e seria mandante de morte com perseguição em 2015.

Por Gabriel Barreira, G1 Rio

Em carta, "Orlando de Curicica" nega envolvimento com o crime de Marielle. Segundo a polícia, ele é miliciano na Zona Oeste e está preso por crime semelhante (Foto: Reprodução)

Orlando Oliveira de Araújo, apontado como miliciano da Zona Oeste do Rio pela polícia e conhecido como "Orlando Curicica", divulgou uma carta datada de quarta-feira (9) em que nega a participação no crime contra a vereadora Marielle Franco e também que faça parte do poder paralelo. O documento, divulgado inicialmente pelo "O Dia", foi obtido pelo G1.

No mesmo dia, o G1 mostrou que Orlando está preso por um crime semelhante praticado em 2015 — com direito a perseguição e tiros na cabeça da vítima. Ele foi ligado ao crime da parlamentar por um delator que também teria trabalhado para a milícia.

"Eu, Orlando Oliveira de Araújo, venho por meio desta esclarecer sobre os fatos que estão sendo veiculados na imprensa sobre o assassinato da vereadora Marielle e de seu motorista Anderson, que não tenho qualquer envolvimento nesse crime bárbaro", diz o texto.

Orlando está preso como mandante de crime com mesmas características em 2015

De carro, três homens armados iniciam uma perseguição. Eles emparelham ao lado de outro veículo e disparam mais de dez tiros. A narrativa do crime, que se assemelha ao ocorrido contra a vereadora Marielle Franco em março, ocorreu em 2015 na Zona Oeste do Rio.


Um "segurança" dele e outros dois rapazes teriam participado da perseguição e do crime contra Wagner Raphael de Souza, então presidente da escola de samba União do Parque Curicica.

"Consta (...) que o denunciado Orlando Oliveira de Araújo foi o mandado do crime. (...) As vítimas estavam no interior do veículo (...) quando os denunciados Renato Nascimento dos Santos e William da Silva Sant'Anna chegaram em um veículo Kia/Cerato, branco, conduzido por um comparsa ainda não identificado", diz o inquérito citado pela Justiça.

"Os disparos foram efetuados a pouca distância e contra suas cabeças", conclui o inqúerito.

A principal diferença na dinâmica dos crimes está no momento dos tiros. Contra Marielle, os autores estavam dentro do carro e colocaram a submetralhadora para fora da janela. Em 2015, numa região de terra batida e menos exposta às câmeras, os assassinos puderam desembarcar. Entre 10 e 12 tiros acertaram o carro.

'Nunca tinha ouvido falar dela [Marielle]', diz a carta

A carta afirma ainda que Orlando está à disposição das autoridades. Ele ataca o delator, identificando-o, e diz que não "tem qualquer autoridade" por ser — o delator — miliciano.

"Informo também que nunca estive com o vereador (Marcello) Siciliano em nenhuma oportunidade", diz ele em alusão ao parlamentar que, segundo o delator, também foi mandante do crime de Marielle.

"Por fim, com todo respeito à vereadora Marielle eu nunca tinha ouvido falar dela"

2 comentários:

  1. FÁTIMA JESUS. ESPERANDO A VOLTA DO MESTRE GONDIM, AO BLOG...10 de maio de 2018 14:39

    Gostaria bastante, acredito que inúmeros leitores do Blog WEB, que o mestre e genial Otoniel Gondim retornasse com crônicas e artigos. É um mestre nacional no que faz. Peça a ele, Mariano. algo. Grato.

    ResponderExcluir
  2. TIANO LUIZ. VOLTA OTONIEL GONDIM.....11 de maio de 2018 08:56

    Minha cara Fátima Jesus, concordo plenamente com a sua colocação> O professor Otoniel Gondim faz , e como!, muita falta. Que Mariano o traga, logo logo, de volta para abrilhantar mais ainda esse excelente veículo de informação e entretenimento. Volta, professor Otoniel Gondim !!!

    ResponderExcluir

Obrigado por seu comentário.