RADIO WEB JUAZEIRO : HOMEM QUE ACORDOU "TETRAPLÉGICO" VOLTA A ANDAR 14 MESES DEPOIS

quarta-feira, 25 de julho de 2018

HOMEM QUE ACORDOU "TETRAPLÉGICO" VOLTA A ANDAR 14 MESES DEPOIS

Nelson Rodrigues da Silva não mexia nenhum músculo na manhã de 2 de outubro de 2016. Praticamente curado, o paciente agora retorna à rotina aos poucos

Por Carlos Dias, G1 Sorocaba e Jundiaí

Biólogo de Sorocaba se recupera de Guillain-barré

Abrir os olhos e acordar "tetraplégico" da noite para o dia mudou a vida do biólogo Nelson Rodrigues da Silva, na manhã de 2 de outubro de 2016. Na época, eram os primeiros sintomas de Guillain-Barré que se manifestavam no corpo do morador de Sorocaba (SP), curado após 14 meses sem andar.

A rotina voltou a ser aquela que imaginava ter outra vez quando observava a movimentação nas ruas pela janela do hospital. Quando o biólogo deu entrada na UTI, ele estava com 73 quilos. Saiu com 42 e se locomovendo com a ajuda de uma cadeira de rodas.


Durante o tratamento, que ainda é realizado, o paulista, de 39 anos, dependia de outras pessoas para beber água ou até mesmo ir ao banheiro. Foram dias intensos com sessões de fisioterapia e atenção diária sob os cuidados de um enfermeiro.
Biólogo de Sorocaba agora consegue caminhar com ajuda de andador
 (Foto: Carlos Dias/G1)

"Minha mãe se emociona a cada passo. Meus irmãos e meu pai também. Agora que estou revendo as pessoas, vou ao cinema e até saio tomar açaí", diz.

Após uma intensa recuperação, o peso corporal voltou a ser o mesmo com visitas diárias à academia.

"Eu estava psicologicamente abalado e foi incrível quando cheguei em casa e comecei a engordar. O tratamento é totalmente com estímulo, comecei com um quilo na academia e agora já estou levantando quatro", comemora.

Biólogo de Sorocaba recupera os movimentos após 14 meses do diagnóstico de Guillain-Barré (Foto: Kauanne Piedra/G1)

Sonho interrompido

A doença surgiu durante os trabalhos de coleta de informações para o doutorado, em Maceió (AL). A síndrome interrompeu, naquele o momento, o sonho do diploma, que está sendo retomado aos poucos.

"Vou terminar o que comecei quando estiver 100%. Vou ser doutor, é isso que eu quero", afirma o biólogo, que também acumula na carreira picadas de cobra e uma dengue superadas.
Biólogo de Sorocaba trabalhava em doutorado em Maceió
 (Foto: Arquivo pessoal)

'Tetraplégico'

Nos dias em que os primeiros sintomas surgiram, Nelson foi ao médico e chegou a apresentar melhora. Ele aproveitou a oportunidade para voltar a Sorocaba e, ainda no aeroporto, se deparou com as pernas travadas.

"Eu estava sozinho e achei estranha aquela dor, achava que era nervo ciático. Cheguei em casa e nem me preocupei muito."

De forma silenciosa, a doença começou a afetar os membros inferiores durante a madrugada. "Eu já acordei com as duas pernas paralisadas. Mais tarde, no mesmo dia, eu estava tetraplégico", relata.

A família logo procurou ajuda médica quando o corpo de Nelson já não correspondia aos comandos. Debilitado, mas podendo se comunicar, ele foi até uma clínica particular sem saber o que tinha. O médico fez três perguntas e alertou: "você está com a síndrome de Guillain-Barré".

Ele foi internado e passou 31 dias no hospital, sendo cinco na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI).

"Foi tudo muito conturbado e espero um dia ajudar as pessoas com o que eu passei, com a minha experiência. Ainda não sei como, mas vou", finaliza.
Biólogo precisou de cuidador para tarefas simples do dia a dia
 (Foto: Camila Forti/G1)

Síndrome de Guillain-Barré

A Vigilância Epidemiológica de Sorocaba explica que a Síndrome de Guillain-Barré não é uma doença de notificação compulsória.

No entanto, devido à possível relação com a infecção do vírus da zika e outras arboviroses, existe desde 2016 a orientação de investigação para estes agentes em todos os casos com diagnóstico confirmado.

Até o momento, não existe estatística brasileira sobre a ocorrência de casos da síndrome, segundo a Secretaria Estadual de Saúde.

Nelson precisou de cadeira de rodas após apresentar melhora durante o tratamento (Foto: Camila Forti/G1)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário.