RADIO WEB JUAZEIRO : Rio São Francisco: Sintomas da Degradação Generalizada!

quinta-feira, 26 de julho de 2018

Rio São Francisco: Sintomas da Degradação Generalizada!





Depois de ir a sete pontos de venda de peixe da sede e do povoado Riacho dos Paes, na margem esquerda do Lago de Sobradinho, em Sento-Sé, para poder encontrar e comprar um peixe de dois quilos e já conhecendo os sintomas que tanto denuncia o descaso com rio, acabei lembrando de uma discussão que eu fazia com a pescadora de Riacho do Paes, saudosa “Dona Totonha do Seu João Pescador” – eu criticando a pesca predatória (com malha miúda), e ela dizendo que “peixe no rio não se acaba”!... O seu esposo nos vendo de perto, combatia o argumento dela, dizendo que vieram de Itiúba/BA por que acabou a produção que tinham de até 600 kg de peixe por semana, no enorme Açude da Camandaróba, construído pelo antigo DENOS!...

Tá muito claro a falta de mais informação e conscientização no seio da sociedade ribeirinha sobre as questões produtiva, ambiental e social relacionadas com o rio e seus afluentes: o despejo de esgoto sem tratamento pelas comunidades ribeirinhas; o uso de diversos tipos de agrotóxicos pesados na produção agrícola; o desmatamento que fez assorear o rio; a pesca de peixes muito pequenos; algo inadequado dentro d`água – tudo isso contrariou a saúde e a utilidade do Velho Chico: a navegação ficou com prometida em diversos locais; a saúde humana tá afetada; o meio ambiente ficou degradado; a economia com dificuldade; o aumento de gasto público com tratamento de doenças que faz aumentar a escassez dos recursos públicos!

Ao conversar com um dos principais comerciantes de peixe na sede municipal, o “Lissou”, onde o freezer estava cheio de Tambaqui e Tilápia “maiores”, comentei com ele, que confessor tê-las porque as vem da Paraíba e da cidade de Sobradinho e ue as duas espécies são criadas em cativeiro!... Ou seja, passamos de exportadores para importadores de peixes!

Com a carência de discussão política de importante teor e conteúdo, enorme parte da sociedade, “hibernada” socialmente - alheia à contextualização conjuntural, passa desapercebida diante de tamanha problemática que é da conta de todo mundo, pois, ninguém está livre dos efeitos negativos desse monstruoso agravamento ambiental e socioeconômica!



Laurenço Aguiar – Ribeiro de Nascença.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário.