RADIO WEB JUAZEIRO : REVOLTA NO PT NORDESTINO

sexta-feira, 3 de agosto de 2018

REVOLTA NO PT NORDESTINO

PT se alia a apoiadores do impeachment e revolta próprias bases no Nordeste

Carlos Madeiro
Ueslei Marcelino/Folhapress

Lula e Renan juntos em 2007; apoio do PT ao senador desagrada a base petista em AL

Às vésperas das definições partidárias para as eleições de outubro, o PT deixou de lado a mágoa com os "golpistas" e tem costurado vários acordos que beneficiam parlamentares e políticos do Nordeste que votaram ou defenderam o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, em 2016. Com isso, petistas locais de peso estão sendo rifados a contragosto da disputa em nome de alianças com caciques de partidos nos estados.

O termo "golpista" foi usado e reafirmado diversas vezes por lideranças petistas durante eventos para classificar quem apoiou o impeachment de Dilma. Em Minas, em outubro de 2017, Lula chegou a dizer que estava "perdoando os golpistas", mas afirmou que eles "fizeram essa desgraça" para o país.

Agora, em ao menos quatro estados nordestinos, apoiadores da "desgraça" citada pelo ex-presidente devem apoiá-lo e se coligar com petistas --o que em muitos casos tem gerado insatisfação de boa parte da base histórica do partido.
PE: governador exonerou deputados para voto contra Dilma

A maior queda-de-braço entre direção nacional e diretório regional tem se verificado em Pernambuco. Na quarta-feira (1ª), a executiva do PT decidiu se aliar ao PSB no estado e retirar a candidatura de Marília Arraes ao governo para apoiar a tentativa de reeleição de Paulo Câmara.

O governador pernambucano já sinalizou voto em Lula em 2018, mas em 2016 era um crítico ferrenho ao governo Dilma e exonerou os quatro secretários que estavam afastados da Câmara para votarem pelo impeachment da ex-presidente. À época, houve grande crítica do PT local ao governador.

Ricardo Stuckert/Instituto Lula
Lula recebe visita do governador Paulo Câmara em fevereiro de 2015

A situação, porém, parece distante de uma solução. A convenção estadual do partido nesta quinta (2) decidiu manter a candidatura de Marília, à revelia do consenso nacional, e o partido tem até o dia 15 de agosto (limite para registro de candidaturas) para decidir o que fazer. De quebra, a candidata posou ao lado do senador Humberto Costa, que tentará a reeleição e defendeu o acordo com o PSB. Procurado pela reportagem ainda na quarta, ele disse que não gostaria de comentar sobre a decisão da executiva nacional por não fazer parte dela e por não ter votado.

Marília discordou desde o início do acordo com os socialistas. "Ficou provado que esse núcleo do PSB de Pernambuco não tem força para fazer o partido apoiar Lula. O que ele nos oferece é um não apoio, e sinceramente não via outra opção par eles", disse à reportagem. "É uma candidatura que não é mais de Marília Arraes: ela é da base do PT e que tem um apoio massivo da sociedade de Pernambuco. Eu não tenho o direito de recuar e colocar a candidatura numa mesa, como moeda de troca a preço de banana", atacou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário.