RADIO WEB JUAZEIRO : A OPINIÃO DE ANTONIO DAMIÃO
terça-feira, 4 de setembro de 2018

A OPINIÃO DE ANTONIO DAMIÃO

Eduardo Campos: “Não vamos desistir do Brasil” 
Antonio Damião Oliveira da Silva 


Ainda permanecem vivas em minha mente as palavras apelativas do ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos: “Não vamos desistir do Brasil”. Confesso que eu e milhões de brasileiros, estamos dando o máximo de nós, a fim de não desistirmos do nosso Brasil. Mas, infelizmente está sendo extremamente difícil não desistirmos de nutrir uma esperança ainda que tardia de bons políticos que nos representem de forma honesta e lutem arduamente e incansavelmente pelo bem-estar de nossa nação. Obviamente, toda regra tem uma exceção, mas é algo raro numa época de tantos escândalos e vexames que perpassa o nosso país. 

Chega um tempo que as palavras não sensibilizam mais, as imagens não causam impactos em nossa sensibilidade humana, as lágrimas de tantos sofrimentos não causam comoção nas pessoas, o desamor reina no coração do ser humano desenfreadamente. Como consegue sobreviver um assalariado com tantas necessidades e tantas coisas a pagar? A gente fica perguntando pelos milagres e, não consegue enxergar a engenharia que faz um de pai de família para garantir a subsistência de seus filhos. 

Agora pergunto, para que acumular tanto dinheiro se não conseguimos ter um pouquinho de desprendimento para aliviar o sofrimento de alguém? O próximo está tão próximo de nós, contudo, o nosso egoísmo maldito paralisa nossas boas ações e pensamos que somos imortais e que nada acontece com a gente ou que nossa riqueza servirá como uma vitrine a provas de balas. 

Fala-se muito que a culpa é do povo por colocar em nossas casas representativas os maus políticos. O problema do ser humano está no coração, é ali que se processa toda forma de corrupção e maldade. A cegueira é tão gigantesca que machuca até os seus. Será que em meio a tantos políticos não exista um grupo que vá de encontro àqueles que defendem a ideia de quanto pior melhor? Para saber votar é necessário ter discernimento e acompanhar os acontecimentos, fazer uma leitura reflexiva. Aí nos deparamos com dois problemas, falta de leitura e politização. O ENEM mostra que no quesito leitura, estamos cada vez piores, mas no quesito de certos embalos musicais, somos professores. Ficamos mais focados em ritmos de músicas que não têm letra e nem mensagem positiva que nos impulsione a sair dessa situação de comodismo e distração. 

Meu Deus! O que fazer para despertar nos jovens um vislumbre de dias melhores? Como provocar neles a perspectiva de realização de grandes sonhos e um futuro enriquecedor? Devemos usar as redes sociais como mecanismos de renovação e transformação e não causar motim ou revolta. Temos em mãos uma ferramenta poderosíssima, sabendo usá-la com sabedoria e cautela. Por exemplo, porque não lutar por um piso salarial mais digno para os professores, contagiando a todos com essa mensagem? Compartilhando no facebook, whatsapp, Twiter e buscando apoio da sociedade nesse objetivo. Percebo que muitas bandeiras de vitórias só foram implantadas com muita luta e garra. Os motos taxistas foi uma delas, tiveram muitos debates, perseguições, ideologias contrárias e outras a favor, graças a Deus, hoje, é uma realidade em todo Brasil. 

Por que também não lutamos por um ensino de qualidade mais produtivo em nossas escolas públicas, vez que poderíamos ter um ambiente mais atraente e prazeroso? Melhores condições de trabalho para os policiais e guardas municipais, porque são eles que estão no enfrentamento com os meliantes e aqueles que matam e causam perturbações à sociedade. Estes sim, deveríamos ter equipamentos adequados para o seu serviço e uma remuneração jus a sua carreira que é tão perigosa e injustiçada. Ao invés de ir às ruas pedindo a saída de uma presidente e praticar desordens (e nada mudou para melhor), deveríamos pedir celeridade na melhoria dos nossos hospitais públicos, com mais medicamentos, exames de maior complexidade e, profissionais médicos para atender a demanda da população. 

Se quisermos jovens mais comprometidos com o seu país e desenvolvimento da nação, seria interessante que nossas escolas funcionassem de forma integral. Além disso, implantar o ensino religioso em nosso sistema de ensino como outrora, pois, fomos feito e imagem e semelhança de Deus. Feliz é a nação cujo Deus é o Senhor. Não precisa ser tendencioso a qualquer seguimento de religião, apenas mostrar aos alunos os princípios do amor ao próximo e, a oração do Pai Nosso ensinado por Jesus Cristo, nos mostra também a importância do temor a Deus. É um bálsamo curador para combater o ódio e a perversidade em suas formas perniciosas. 



Antonio Damião Oliveira da Silva (damis.oliver@hotmail.com
Guarda Municipal Petrolina Pernambuco 
Graduado em Matemática pela FFPP

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário.