RADIO WEB JUAZEIRO : APÓS AUMENTOS, PETROBRAS ALTERA POLÍTICA DE PREÇOS DA GASOLINA

.

.

quinta-feira, 6 de setembro de 2018

APÓS AUMENTOS, PETROBRAS ALTERA POLÍTICA DE PREÇOS DA GASOLINA

Estatal informou criação de mecanismo para manter valores estáveis por prazos de até 15 dias

Nicola Pamplona



A Petrobras anunciou nesta quinta (6) mudança na política de preços da gasolina. O anunciou ocorre após uma sequência de aumentos iniciada no dia 18 de agosto, que elevou o preço cobrado por suas refinarias em 12%.

Segundo a estatal, o objetivo é suavizar volatilidades provocadas por períodos de forte aumento nas cotações internacionais ou de grande desvalorização cambial, razão para o ciclo de alta atual.

A nova política permite segurar os reajustes por até 15 dias - desde julho de 2017, a empresa vem realizando revisões diárias com base na variação das cotações internacionais e do câmbio.

A recente paralisação de caminhoneiros fez com que os motoristas voltassem a se preocupar em ficar com o tanque vazio. 

A empresa diz, porém, que não deixará de seguir os preços internacionais. “O resultado final não vai ser alterado. Se subir 13% neste período, ao final vai ter 13% de aumento”, afirmou o diretor de Refino e Gás da estatal, Jorge Celestino.

Ele defendeu que a mudança é uma evolução da política atual, iniciada em 2016 e alterada pela primeira vez em 2017 para dar mais flexibilidade à área comercial para disputar mercado com importações.

“O mercado brasileiro vem se sofisticando no que diz respeito à precificados”, disse o diretor.

“Aprendemos com os sinais que outros agentes têm dado à gente, para implementar mecanismos e ferramentas para suavizar a volatilidade.”

Em junho, após a greve dos caminhoneiros, a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis) abriu consulta pública para estudar prazos mínimos para reajustes, mas o processo foi concluído sem proposta de intervenção no mercado.

Celestino diz que a proposta anunciada nesta quinta não prevê um prazo mínimo. Os reajustes diários continuariam autorizados, mas em momentos de volatilidade por razões extraordinárias —ele citou furacões ou rompimento de dutos— a área técnica pode propor segurar os repasses por até 15 dias.

A decisão final será tomada pelo grupo executivo de acompanhamento de preços, que inclui Celestino, o presidente da companhia, Ivan Monteiro, e o diretor Financeiro, Rafael Grisolia.

A empresa usará mecanismos financeiros de proteção, conhecidos como hedge, para manter as margens de lucro: ao decidir segurar os repasses, comprará contratos futuros de gasolina ou de câmbio, que serão vendidos após os reajustes.

​Grisolia disse que a Petrobras já tem estrutura para operar mercados futuros, tanto de combustíveis, quanto de câmbio. “O resultado financeiro para a Petrobras será equivalente ao da política atual”, afirmou.

Petrobras muda política de preços - Eduardo Anizelli/Folhapress

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário.