RADIO WEB JUAZEIRO : DESFAZENDO BOATOS

.

.

sábado, 8 de setembro de 2018

DESFAZENDO BOATOS

Bolsonaro não chegou andando ao hospital após atentado

Veja o que é verdade e o que é falso nos desdobramentos do ataque ao presidenciável

Após o candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL) receber uma facada durante ato de campanha, nesta quinta-feira (06), em Juiz de Fora, Minas Gerais, uma série de informações suspeitas passaram a circular nas redes sociais. O Passando a Limpo Eleições, do Gazeta Online, verificou as principais delas para evitar que os leitores compartilhem a desinformação. Veja o que é verdade e o que é fake.

Bolsonaro não chegou andando a hospital após facada

Foto: Reprodução

A foto compartilhada como se fosse a do candidato chegando ao hospital para receber atendimento médico após o atentado foi feita ainda na manhã desta quinta-feira (06). Portanto, horas antes de ser atingido pela faca. Ele visitava o hospital filantrópico da Associação Feminina de Prevenção e Combate ao Câncer, também localizado em Juiz de Fora (MG). Conforme registrou o Estadão, houve confusão, pois alguns pacientes idosos tiveram dificuldade para acessar o local. Após a agressão, Bolsonaro foi socorrido em outro hospital de Juiz de Fora, a Santa Casa de Misericórdia.

Imagem de homem que esfaqueou Bolsonaro em foto com Lula é montagem
Foto: Reprodução

A imagem com o rosto do homem apontado de dar a facada em Bolsonaro em evento de Lula é uma montagem. A foto original, portanto sem a alteração digital que incluiu o rosto de Adélio Bispo de Oliveira foi feita por Ricardo Stuckert, fotógrafo do Instituto Lula. Chegou a ser usada em matéria republicada pelo Gazeta Online em julho de 2017.

O senador Magno Malta, em seu perfil oficial, também compartilhou a imagem. O post recebeu cerca de 4 mil interações, antes de ser excluído.

Adélio Bispo não é filiado ao PT
Foto: Reprodução

Em consulta ao site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a reportagem verificou que Adélio Bispo de Oliveira nunca foi filiado ao PT de Minas Gerais. Há 22 pessoas com o nome de Adélio, mas nenhuma tem o sobrenome do suspeito. De acordo com dados do TSE, Adélio foi filiado ao PSOL entre 06/05/2007 e 29/12/2014. O próprio diretório mineiro confirmou oficialmente a informação. Ele estava vinculado à unidade de Uberaba, Minas Gerais, e foi ele mesmo quem pediu o desligamento da legenda, há cerca de quatro anos.

O suspeito seria José Adélio Bispo de Oliveira, filiado ao PDT mineiro. Informação compartilhada em sites, logo após revelada a identidade do agressor


Na base de dados do TSE, consta o nome de José Adélio Bispo de Oliveira como filiado ao PDT de Minas Gerais desde 1992. Trata-se, porém, de uma pessoa diferente do homem que cometeu o atentado contra Bolsonaro, apesar do nome parecido. Quem cometeu a agressão contra o candidato, segundo a polícia, chama-se Adélio Bispo de Oliveira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário.