RADIO WEB JUAZEIRO : O VÁCUO DOS FILHOS QUE CRESCEM

.

.

sexta-feira, 14 de setembro de 2018

O VÁCUO DOS FILHOS QUE CRESCEM


Eles passam um tempo rondando. Cozinha, banheiro, cama? Eles estão juntos. Pequenos. Olhos atentos. Chamam mais que disco quebrado.

- Mãe. Mãe. Mãe.

Tudo que se quer é um tempinho de paz. Uma noite bem dormida. Uma cama que caiba dois só com dois mesmo. Mas eles querem estar perto da gente. Por mais que canse, no fundo, a gente também.

Começa bem de repente. Um dia, a casa da amiga. Uma noite, uma festa de pijama. Mas ela não tinha medo? Não dizia que para dormir era só com a mãe? E o grude? As noites colada na sua costela?

Como assim vai dormir fora? Sem mãe? Que trairagem é essa? É a trairagem do crescimento. A novidade que toca a campainha sem que ninguém espere. Sinal de que está dando certo. Que o trabalho foi bem feito.

Sinal de que você está começando a ser substituído. Chupe essa manga. Não tem outro jeito. Crescer é treinar a substituição. Experimentar o diferente. Abrir as portas para o inesperado. Arriscar. Eles voam. Primeiro, baixinho. Por perto.

Quando se vê, já foram. Para os pais sobram a cama inteira. Vazia. A cozinha, o banheiro. E um vácuo insuportável. Que a gente sorri e disfarça, dando tchau e dizendo:

- Vai com Deus!

Eles vão. Mas ficam pulando dentro da gente. O coração não sossega. Será que chegou? Que está bem? Que precisa de ajuda? Que vai tomar conta para não colocarem nada no copo? (me jura que você nunca recomendou isso?)

Eles vão, a gente fica. O pensamento fica neles. Nesse ponto, é preciso cuidado. Porque é grande o risco de acabar como O chato perseguidor. O que liga toda hora. Não faça isso. É muito ruim. Ninguém merece esse rastreamento. Nem você, nem os filhos.

Combine mensagens essenciais. Chegou? Avise. Vai mudar de lugar? Avise. Precisou? Avise. Isso nem precisa falar. Filhos não costumam ligar quando tudo está bem. Nem atender celular. Mas em casos de dor de barriga, eles sempre lembram da gente.

Que bom que lembram e que sabem que podem contar. Estabelecer laços de confiança é a parte mais essencial na educação dos filhos. Dar a completa certeza de que eles vão para o mundo, mas nunca estarão sozinhos.

Apesar de muitos estarem mais para espinhos, esse não é o comum. Felizmente. Todo filho deveria poder confiar. Contar os piores podres sem medo. Ou mesmo com medo. Deveria saber que pais estão ali para o que for necessário.

Porque voos são bons, divertem, mas cansam. E é bom ter onde descansar as asinhas. Seu filho voou? Vai voltar. Quando ele voltar, seja ninho.


Por: Mônica Raouf El Baye

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário.