RADIO WEB JUAZEIRO : PROFESSORES ACUSAM A PREFEITURA DE DESVIO DE RECURSO
quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

PROFESSORES ACUSAM A PREFEITURA DE DESVIO DE RECURSO

Durante assembleia, professores denunciam que estão sendo ‘lesados’ pela administração municipal de Juazeiro


O clima de revolta dos professores da rede municipais de Juazeiro tem se agravados nos últimos dias. Durante assembleia da categoria realizada nesta quarta-feira (09) no auditório da APLB – Sindicato, eles denunciaram desvio de recursos de seus pagamentos. Eles afirmaram ainda a falta de respeito aos seus direitos trabalhista, humilhações e constrangimentos nas secretarias municipais, falta de palavra e compromisso do prefeito Paulo Bomfim (PCdoB) em resolver algumas pendências relacionadas a campanha salarial que se estende por mais de dois anos, dentre outras coisas.

Professor Gilmar Nery

Pelo visto, o casamento que parecia ser eterno entre a classe dos professores e a administração comunista foi por água abaixo. “O prefeito chegou a dizer que queria pagar as férias com o salário de dezembro, mas não foi possível porque a recém-criada secretaria de gestão de pessoas só serve para perseguir e maltratar o trabalhador. Ela não resolve nada, pelo contrário, é só para tirar do trabalhador”, detonou representante da categoria Gilma Nery durante assembleia.
Professor Expedito Vasconcelo

O Secretário de Finanças da entidade, Expedito Vasconcelos expôs a sua indignação com o procedimento municipal. “Infelizmente o governo Paulo Bomfim chegou ao seu fim. Ele está se apegando a pequenas coisas para mostrar serviços. A questão da VPI só será resolvida se nós não iniciarmos o ano letivo, acabou a negociação com eles. Eu e o Clériston tivemos uma discursão muita séria na última reunião, pois o mesmo só está enrolando porque antes eles diziam que estavam procurando uma forma jurídica para se resolver as coisas, sendo que na última reunião ele mudou de conversa afirmando que dependia apenas de orçamento. Se for depender de orçamento para resolver as coisas, ele nunca vai fazer, e se nós deixarmos de frequentar as festas que eles fazem ‘é nós de novo’, aí nós vamos resolver a questão. ‘Depois de nós, é nós de novo’, isto não governa uma cidade. Estas dancinha não administram uma cidade, pois o que administra é ter seriedade, compromisso e trabalho”, detonou.

Ele foi mais além: “Agora que acabou a campanha do senhor Isaac, não tem dinheiro para nada. Gastaram na campanha, aqui ninguém tem nada a ver com campanha de ninguém. Eles vão ter uma surpresa muito boa, primeiro eles antecipavam o termino do ano letivo reduzindo a folha com os contratados – e os coitados não recebiam dezembro -, ficavam a ver navios. Pois se eles estivessem feito aquilo eu teria ido ao Ministério Público denunciar”, disparou. Ele ainda fez um alerta aos colegas sobre a chacotas da administração. “No dia em que o prefeito e a secretária convidarem para um evento – onde muitos foram vestindo com a melhor roupa e usando sapato até alugado, com todos bonitos para seus eventos, eles se sentiam satisfeitos. Agora chegou a nossa vez de darmos uma resposta, pois já como eles querem nos enrolar, a festa acabou, não existe mais negociação”.

Tentativa de suborno

Ele continuou com suas colocações contundentes referente a nuvem escura que se abateu no Paço Municipal. “Eu acredito que não tem mais negociação, sabe porque, a ilustre assessora da secretária queria até fazer um desenho no quadro explicado o inexplicável. Então não existe mais a possibilidade porque teremos uma ação jurídica e depois outra politica (…) Eles são tão engraçados que propuseram ajeitar as férias das pessoas do sindicato e não aceitamos. Aqui não tem criança e nenhum idiota para cair nesse tipo de esparrela. Nós queremos é direitos iguais para todos”.

Pagamento indevido com recursos do IPJ

O presidente Gilmar Nery afirmou para todos os presentes que ele e outras pessoas como membros da diretoria do IPJ “fiscalizamos o órgão e descobrimos – pois eles estavam escondendo – que um juiz bloqueou mais de R$ 10 milhões do órgão, chegando a levar R$ 2,550 milhões. Esta decisão se deu devido a uma ação impetrada por aposentados no ano de 2002, houve uma ação rápida dos advogados quando conseguiram ainda resgatar mais de R$ 8 milhões. O dinheiro do IPJ é do trabalhador, não se pode mexer (…) O município comeu mosca, dormiu e depois da decisão correu atrás. O sindicato já enviou um documento para a administração pedindo que devolva com urgência o nosso dinheiro ao caixa. Ainda assim, vamos exigir que o IPJ retorne a sua autonomia, não pode prefeito Paulo Bomfim assinar documentos do órgão, a lei não permite (…) Não vamos aceitar que o recurso seja devolvido parcelado.”

Professores lesados e caso de polícia 

A professora Magaly usou da palavra quando denunciou retirada de recursos de seu pagamento. “Anualmente o nosso décimo está vindo menor, e aí fui na secretaria de educação tentar pegar meus espelhos e não conseguir, conseguindo apenas na prefeitura, então descobri a diminuição no valor do pagamento. Se nós temos reajuste no ano quando chega no décimo a gente recebe menor do que o ano de 2016. Então estamos sendo lesados de nossos próprios direitos”.

A professora Walquiria foi outra vítima da ganancia da administração municipal. “O meu caso eles retiraram do meu triênio quando foi reduzido nas férias”. O secretário de finanças do Sindicato, Expedito Vasconcelos também foi outra vítima do golpe que está sendo aplicado em funcionários da prefeitura. “Eu fui reclamar – nem disse a Marquinho o que era -, ele calculou e foi logo me dizendo que estava faltando R$ 85,00. Ele tira este valor de um, R$ 100,00 de outro, R$ 200,00 de outros…”

Administração falida e depenada

“Eu fico abismado que uma folha da Secretaria de Educação tenha passado pelo período de quatro meses sendo feita manualmente porque não pagaram a empresa que faz a própria folha através de sistema (…) Desvia dinheiro para algumas coisas e depois não tem como pagar o trabalhador (…) Quando uma administração é desastrosa, acontece de tudo”, denunciou o professor Expedito.

O professor Gilmar Nery concluiu fazendo um alerta aos colega. “Estamos de férias, mas estamos trabalhando para tentar resolver estas pendencias que tem mais de dois anos. Caso não consigamos, iremos convocar todos vocês para uma nova assembleia antes do inicio das aulas. Este negócio de jornada pedagógica e festa temos que tomar uma decisão”.

8 comentários:

  1. Se eles tem lesado os concursados imaginem os pobres contratados, q se submetem a tantas humilhações e principalmente a ficarem calados para não perderem os empregos por falta de um concurso de vergonha. Fazem questão de cancelar contratos e ainda fazem eles assinarem com datas erradas e aí deles q não assinem e pra piorar não recém férias e muito menos o mês de janeiro. Interessante em tudo isso é que dizem que o ministério está em cima. Só gostaria de saber de que maneira porque o descaso com o trabalhador contratado é grande e se seleção é feita para um ano prorrogável pra mais um pique quebram em dezembro e só recontada em fevereiro simplesmente para q o dinheiro ao invés de ir para o bolso dos trabalhadores segue um desvio que só eles podem explicar. Vamos chegar junto de verdade ministério público porque esse descaso e falta de respeito com os servidores públicos tem q acabar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E é tudo verdade..é um descaso com os professores contratados e não tem ninguém para fiscalizar e o pior que ainda tem contratado babando o governo.

      Excluir
  2. Fiquei sem receber meu "abono férias", procurei a Secretaria para saber o motivo já que não dei atestado durante o ano letivo. Aliás uma falta de respeito, professor não pode adoecer? Eles alegaram que o sistema estava fora e que não tinha como saber, fui até a prefeitura e também não souberam informar, a única pessoa que poderia me dar uma resposta era Marquinho, porém este estava de recesso. Começou um jogo de empurra. Falei com Mara, Ademira, Marnilde... Enfim, retornei no outro dia, terça feira. O expediente a tarde é interno, pense?!
    Sabe aquela sensação de impotência? Procurar quem? O que aconteceu?
    No final a única resposta que recebi foi que não sabem o que aconteceu, mas que no final do mês vou receber meu "abono férias" junto com o salário, simples assim.
    Uma total falta de respeito com o servidor, como se não fizéssemos planos com nosso dinheiro.
    Mudança de planos por conta do não recebimento do "abono férias".
    Estou indignada!

    ResponderExcluir
  3. Estou muito assustada!!
    Somos lesadas de uma vida toda, sem plano de carreira eficiente, sem recebermos as nossas licenças a que temos direito (prêmio ou em pecuniária) e todas os reajustes e perdas salariais.
    Agora o sindicato se manifestou? O que houve?
    O casamento não era dos professores com o Prefeito e sim do sindicato com o garçom e o vaqueiro.
    Temos que investigar essa DR.
    Governo e sindicato sem credibilidade!

    ResponderExcluir
  4. Estou muito assustada!!
    Somos lesadas de uma vida toda, sem plano de carreira eficiente, sem recebermos as nossas licenças a que temos direito (prêmio ou em pecuniária) todos os os reajustes e perdas salariais.
    Agora o sindicato se manifestou? O que houve?
    O casamento não era dos professores com o Prefeito e sim do sindicato com o garçom e o vaqueiro.
    Temos que investigar essa DR.
    Governo e sindicato sem credibilidade!

    ResponderExcluir
  5. Opior que não depositou as férias de alguns e agora dizer que so no dia 30 pois o tribunal de contas não permite fazer uma folha suplementar e o servidor poder ficar sem psgar sua conta podendo até ter sua aguá e energia ser cortada, isso acontecendo quem vai responder, com a palavra quem de direito se de direito for.

    ResponderExcluir
  6. A única coisa que me deixa com uma pulga atrás da orelha é porque o senhor Expedito de posse de todas essas informações não apresenta, essas denuncias no Ministério Publico? Ainda em oportuno, porque será que, sabendo ele que os professores estão sendo lesados como disse em seu discurso acima não toma todas as medidas cabíveis de um representante de professores e professor que ele é. Ao em envés de estar tão somente usando a mídia vá também ao lugar de direito, uma vez que ele mesmo diz em seus discursos que não existe mais dialogo entre "ele" e a secretaria. Sugiro senhor expedito que com um discurso de certeza apresente tudo isso ao Ministério Publico fica a dica. E enquanto professora estamos aqui para te dar o apoio necessário.

    ResponderExcluir

Obrigado por seu comentário.