RADIO WEB JUAZEIRO : EMBATE AO VIVO: DALMIR PEDRA REAFIRMA ACUSAÇÕES CONTRA PREFEITURA DE JUAZEIRO E IPJ E É CONTESTADO POR VOLDI ALVES
quarta-feira, 10 de abril de 2019

EMBATE AO VIVO: DALMIR PEDRA REAFIRMA ACUSAÇÕES CONTRA PREFEITURA DE JUAZEIRO E IPJ E É CONTESTADO POR VOLDI ALVES



Geraldo José

Denúncias efetuadas desde o domingo (7) e postadas pelo Blog GJ Notícias, continuam provocando grande repercussão em Juazeiro e região, ganharam novos capítulos nesta segunda-feira (9). Em entrevista ao Programa Geraldo José, na Transrio FM, o médico Dalmir Pedra, ex-vereador, ex-Secretário de Saúde de Juazeiro e policial federal, reafirmou as denúncias de possíveis fraudes numa licitação realizada pelo Instituto de Previdência de Juazeiro.

De acordo com Dalmir, haveria uma troca de favores entre um médico e o Sr. Voldi Alves, envolvendo um atestado “fraudulento” para concurso da Polícia Federal e a licitação do IPJ, que resultou no credenciamento da empresa JUSMED CONSULTORIA E PERÍCIAS MÉDICAS LTDA para um contrato da ordem de R$ 600 mil.

Dalmir chegou a dizer na entrevista, conforme áudio disponibilizado nesta matéria, que o Sr Voldi Alves teria solicitado dele próprio um atestado de deficiente para tentar uma vaga num concurso da Polícia Federal, negado, segundo ele, e que o médico João Nicole, teria dado o atestado, conforme denúncia já formulada por ele na Polícia Federal.

Dalmir denunciou ainda que a empresa Jusmed não tinha os documentos necessários para participar do certame e que houve facilidades para garantir o credenciamento. De acordo com Dalmir, o Médico João Nicole deu um atestado médico de deficiente físico “a um cara que joga bola melhor que Neymar e corre atrás de boi em cima de cavalo”, disse.

Em nota encaminhada ao Blog GJ Notícias, a Prefeitura Municipal de Juazeiro e o Instituto de Previdência de Juazeiro – IPJ, autarquia municipal encarregada da concessão e manutenção dos benefícios previdenciários devidos aos servidores efetivos do município, já havia contestado as denúncias de Dalmir Pedra considerando-as “levianas”. “Cumpre esclarecer que a licitação realizada para contratação de empresa especializada na realização de perícias médicas previdenciárias nos processos de concessão de benefícios por incapacidade previstos na legislação de regência do regime próprio de previdência social de Juazeiro, foi realizada com base na legislação vigente”, explicaram.

De acordo com a nota, “a despeito da publicidade dada ao certame, os prepostos do Hospital São Lucas (de Dalmir Pedra) que compareceram à sessão de abertura dos envelopes não portavam os documentos mínimos para serem credenciados a participar da licitação e, por isso, não foi possível a sua participação”, o que teria o levado a tentar “reabrir um processo licitatório realizado na forma da legislação vigente e do qual a sua empresa foi excluída por não ter tido o cuidado de observar as exigências contidas no edital”.

Na nota do IPJ e Prefeitura atestam que “a empresa contratada, a JUSMED CONSULTORIA E PERÍCIAS MÉDICAS LTDA apresentou todos os documentos exigidos pelo Edital e, por isso, foi habilitada a participar do certame”, informando ainda que “o processo completo de licitação será encaminhado ao Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia, conforme determinado pela legislação vigente, além de estar disponível na qualidade de documento público para todos os demais interessados”, finalizaram.

Durante a entrevista de Dalmir ao Programa Geraldo José e ao Blog GJ Notícias, Voldi Alves, acusado por Dalmir de forjar uma deficiência que não teria, Woldi disse: “A título de esclarecimento, a política de cotas estabelecidas pelo governo federal através de lei, para negros e pessoas portadoras de deficiência, possuem um rito próprio pra isso, você como não me conhece (Geraldo) não sabe que eu sofri um acidente, que eu fiquei 71 dias hospitalizado, que eu tenho o fêmur da perna direita com 18 parafusos, que minha perna direita não dobra na sua completude por causa de problemas causadas por esse acidente, que houve nesse acidente a explosão da articulação distal do punho esquerdo, então é muita coisa Geraldo, que é da vida particular do cidadão e que ele não precisa dar publicidade a isso”, justificou, informando que também deve recorrer as instâncias da justiça contra Dalmir Pedra, por calúnia e difamação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário.