RADIO WEB JUAZEIRO : Reviravolta: mãe de Beatriz denuncia agente público de Pernambuco
quarta-feira, 16 de outubro de 2019

Reviravolta: mãe de Beatriz denuncia agente público de Pernambuco

''Eu não entendo porque o caso é sigiloso. Não esta favorecendo em nada'', afirmou Lucinha Mota

A menina Beatriz Angélica Mota foi assassinada com 42 facadas em dezembro de 2015 - Foto: Reprodução/ Facebook

O caso da morte da menina Beatriz Mota teve um reviravolta, nesta quarta-feira (16). De acordo com a família da vítima, agentes públicos estão atrapalhando as investigações do caso, que aconteceu dentro do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, em 2015, no município de Petrolina, no Sertão de Pernambuco.

''Meses atrás nós recebemos uma denúncia de que um dos suspeitos do caso ter participado do plano de segurança do colégio. A partir disso nós começamos uma investigação. Nós conseguimos provas que ele realmente participou desse plano. Vários funcionários estão sendo investigados na participação da morte de Beatriz. Para mim, isso é um ato de imoralidade muito grande'', contou Lucinha Mota, mãe de Beatriz.

Provas

Segundo a mãe de Beatriz, existem provas de que um agende público esteve no colégio para elaborar o plano de segurança. Sem citar data, ela conta que foi feito depois do crime ter ocorrido. Além disso, de acordo com a Lucinha Mota, existe a suspeita de que outros agentes públicos também estão atrapalhando o caso.

''Fotos que comprovam que ele esteve dentro do colégio, realizando o trabalho privado para o colégio. Eu quero respostas. Quero saber se outras pessoas participaram. Acho uma imoralidade, muito grande, um perito participar do Caso Beatriz e participar desse plano de segurança, que foi feito depois do crime'', afirmou.

O caso

A menina Beatriz Mota foi morta aos sete anos de idade com 42 facadas, no dia 10 de dezembro de 2015, dentro de uma sala desativada no colégio particular em que estudava. Ela estava na festa de formatura da irmã mais velha e haviam várias pessoas no colégio. A criança se afastou dos pais para beber água e teve o corpo encontrado cerca de 30 minutos depois.

''Eu acho que não houve avanço (na investigação). A primeira delegada estava em uma linha de investigação. Em seguida, entra outro delegado e aparece várias linhas de investigações. Isso atrapalhou. Eu não entendo porque o caso é sigiloso. Não esta favorecendo em nada'', comentou Lucinha Mota.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário.