RADIO WEB JUAZEIRO : O BRASIL NOS TEMPOS VIRAIS

#2ECCFA - #87CEFA

quarta-feira, 22 de abril de 2020

O BRASIL NOS TEMPOS VIRAIS

OTONIEL GONDIM 

Fascista, pretencioso, artificial sem beira sem eira com asneira, desprovido de substância dócil, total ignorância literária e cultural, terror horripilante em suas mais elementares manifestações e posturas, espantosamente incapaz de possuir e conservar qualquer algo que ao menos cheire a humanismo... Por aí vai-se e se vai por aí solamente alguns poucos diagnósticos comprovados madrunoturdiuturnamente do Capitão excomungado-expulso do Exército Brasileiro Jair Messias (?) Bolsonaro. 

Cruel, mal educado, arrogante, agindo inexoravelmente com ousadia e impetuosidade contra tudo o que for Direitos Humanos, dignidade, satisfação popular básica, renovação, liberdade, o Capitão Bozo tem o prazer de transformar em turbulências, vergonhas e palhaçadas tudo o que se averígua sério. Já virou folclore nacional e circula pelo mundo a sua conhecida mal cheirosa e putrefata diarreia vocabular. 

Sem a mínima condescendência, compreensão e modéstia, amparado num panorama estreito de conhecimento e numa paixão desenfreada de triturar ossos e fritar mentes intelectuais /artísticas/culturais/politicas saudáveis, o Bozo na mórbida companhia de familiares, assessores, eleitores persistentes, simpatizantes envergonhados, tornou-se o epicentro viral que aterroriza pandemicamente a nação brasileira não elitizada, desamparada, desassistida. 

Com tantos erros em tão pouco tempo, não contente, o Capitão sorri orgulhoso e impiedoso do “bem-estar” de viver numa egosfera nazifascista se afogando em autoelogios e aplausos oportunistas de sua pérfida classe de colaboqradores estereotipados. 

Leitor... quantas saudades, amigo véi! Enfim, tmj e conected de novo. Mará e belê de Creuza, amigo!!! Aproveitando a deixa permita-me um poemeu bastantemente cabível a esse momento e temática: 

O que o Brasil trouxe à tona 

além do clássico histórico-geográfico 

do fraco lascando-se na lona 

e o forte escarrando em crescente gráfico? 

*Xá comigo que arrespondo, amigão: 

A natureza de fétidos caminhos 

onde lágrimas e sorrisos escorrem 

pr’uns, vivas flores. Pr’outros caveiras espinhos 

e a fascinoragem sacana reinando a desordem... 

Amei. Tomém, consciente Leitor? 

Um desgorverno qui dora, dora qui dora e venera tododiadiatodo criar lastros lastimáveis. 

Espia direitinho, carismático amante das letras, alguns exemplos: 

· Militarização ampla do governo com Generais ocupando ao máximo os ministérios. 

· Corrosão da competência e credibilidade do vestibular Enem. 

· Retirada de verbas da Educação, Saúde, Projetos Sociais, Instituições Ambientais, e extinção de concursos públicos. 

· Aumento de lucro dos Bancos e matança da poupança. 

· Aumento recorde e exorbitante do dólar, combustíveis, botijão de gás, alimentos, transportes, dentre muitos. 

· Implementação de um programa de privatização das principais empresas estatais e das riquezas naturais do país. Já começou vendendo, a preço de banana, parte do Pré-Sal. 

· Abaixamento humilhante das calças pra Donald Trump. 

· Brindamento da família presidencial em enroscos judiciais vários. 

· Crescente desconfiança do empresariado, da sociedade e do Congresso. 

· Besteiróis falatórios irracionais com cifras elevadas de ódio contra a imprensa, LGBT, negros, índios, pobres. 

· Ataques ridículos e descabidos a lideranças mundiais. 

· Perseguição antidemocrática a governadores, prefeitos e políticos que não seguem a orientação ideológica do governo. 

· Atitudes críticas débeis, ignóbeis e desumanas, das orientações e diretrizes da OMS, Ministério da Saúde, autoridades sanitárias, médicos, cientistas, em relação a práticas e comportamentos diante da crise do novo Corona vírus (COVID-19), demonstrando uma profunda falta de sensatez, de respeito e de amor a vida humana. 

Para acabar de lascar o cano e a tonga da milonga do kabuletê, o Bozo em pura rota de colisão com a maioria dos governadores e prefeitos atira pra todos os lados. Provavelmente o único integrante do primeiro escalão governamental que detinha sinceros méritos, aplausos e elogios, o Ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta foi mandado embora. Isso após esculachos, humilhações e ameaças autoritárias a migué proferidas constantemente pelo presidente. Mandetta foi enxotado do governo com 80% de aprovação dos brasileiros. Demitido por ter posto a ciência em 1° lugar no combate ao COVID-19, sem ideologia ou partidarismo. Demitido por ter, o mundo reza pela mesma cartilha, o isolamento e o distanciamento social, até o surgimento convincentemente eficaz de vacinas e medicamentos como a única medida capaz de impedir mortes e o colapso na saúde. Demitido por cobrar veementemente a testagem em massa (insumos, aparelhos), hospitais de campanha, e a aquisição de EPIs. Em suma, demitido por optar e lutar pela vida humana. 

Essas foram, perplexo Leitor, os fatores principais de uma demissão injusta, arbitrária e ditatorial. 

Bozo, incontinente e alheio a todas as recomendações da OMS e do Ministério da Saúde, pode agora ficar a la vonté para passear, apertar mãos, abraçar e aglomerar multidões em padarias, lanchonetes, visitas aqui e alhures. 

Ao discursar de forma presencial, Bozo doou repleto de alegria e orgulho, combustível mais que suficiente para que grupelhos reaças grunhassem e grunhem, miassem e miem, bufassem e bufem latidos pedindo a intervenção militar, a volta da ditadura tirana, do AI-5, e o fechamento das instituições STF, Câmara Federal e Senado Federal. Isso ocorreu e ocorre após 30 anos de democracia e com aval da Presidência da República Federativa do Brasil. 

Leitor, sem titubear responda agorinha e ligeirinho que nem cafezinho e caldo de cana: Isso ocorreu e ocorre por mera coincidência? 

Ah, merecemos ouvir (e ler) o grandioso Chico Buarque de Holanda: 

”O que será que me dá 

Que me queima por dentro, será que me dá? 

Que me perturba o sono, será que me dá? 

Que todos os tremores vem agitar 

Que todos os adores me vem atiçar 

Que todos os suores me vem encharcar 

Que todos os meus nervos estão a rogar 

Que todos os meus órgãos estão a aclamar 

Que uma aflição medonha me faz implorar 

O que não tem vergonha, nem nunca terá 

O que não tem governo, nem nunca terá 

O que não tem juízo” 

Sendo assim, sobérrimo Leitor, rogo novamente sua permissiva. Posso? Brigadinho, my friend, por permitir-me uma trégua de mudar de Bozo para Lula. Se preocupe non qui adispois retorno frenético pro Capitão e seu privado exército apocapolítico. 

Pois, pois, pois. O super juiz Sérgio Moro ajudou a derrubar a presidenta Dilma (Fotos e mais fotos gargalhando aos abraços com os algozes do Impeachment de Dilma – Temer, Aécio Neves, Alckmin, José Serra, etc. - atestam claramente isso.), confinou em jaulas e constrangimentos sociais o que foi possível e impossível de petistas, arquitetando acima das leis a prisão de Lula sem a mínima prova. Otonce, Lula tornou-se inelegível numa eleição em que fatalmente ganharia. Como bem disse em alto tom “Prendi Lula sem provas. Por pura e mera convicção”. Assim sendo, quilaro qui quilaro, Bolsonaro elegeu-se presidente e Sérgio Moro foi presenteado com um superministério. Danadinho esse Morinho, hein? Heinnn? 

Entretanto, Sérgio Moro, Bolsonaro e oligarcas da mesma treita, não dormem e quando conseguem um cochilozinho pulam da cama com terríveis ataques pesadélicos com esse panelaço barulho: O POVO BRASILEIRO E O MUNDO AMAM LULINHA, PAZ E AMOR!! 

E muito mais que antes, viu? Viu. 

Aí, a elite incomodada agoniza, esperneia, se aperreia, se aporrinha, mijando e se cagando toda. O eterno presidente do povo brasileiro, após intermitentes e caluniosas odes satânicas ao seu nome, continua no topo das preferências eleitorais e uníssono na boca do seu querido povo. 

Nordestino, principal fundador da CUT e do PT, Lula, junto a aliados discípulos, revolucionou e promoveu uma histórica evolução e desenvolvimento do qual o país hoje remove-se de saudades. E que saudades! 

Lula é um ícone nacional e internacional de cordialidade, doçura, humanidade. Sinta só, brother: 

Tirou mais de 50 milhões da pobreza, aumentou o emprego formal, construiu casas populares, universidades, institutos técnicos, estádios, hospitais, UPAS, ferrovias, rodovias, portos, 02 gigantes hidrelétricas. Estruturou e reformou inúmeros aeroportos e fez a Transposição do Rio São Francisco. Criou o Bolsa família, Mais Médicos, ProUni, Fies, sistema de cotas. Viabilizou e incentivou Assentamentos e a Agricultura Familiar. Presenteou os desportistas com os dois maiores eventos do planeta: Copa do Mundo e Olimpíadas. De quebra, pagou a enorme dívida externa e deixou o país com reservas bilionárias em caixa. É mole ou quer melhor ou quer mais? 

Otonce e com absoluta razão frente à realidade dos fatos, os bolsonaristas de plantão ficam, bote absoluta razão extra nisso, boquiabertos, se coçando de inveja, hiperdesesperados. 

Hummm... Tomem! Hummm... Tomem! Mas tomem como exemplo. 

Leitor que tale e quale retornarmos ao Bolsonaro? Ok. 

Peníssima pena ainda subsistirem subhumanos seres de sobrancelhas arqueadas, narizes empinados, mentes entubadas, corações transtornados, que não podendo serem fiéis discípulos de deuses resolvem matamorfosearem-se em demônios. Cá pra nós, meu caríssimo conhece alguém dessa tribo? 

Leitor, Leitor, Leitor, já que decisões idôneas-humanistas-solidárias se tornaram práticas inimagináveis e há anos-luz do povo, sugiro aos ditos cujos ordinários mandantes e seu gran-chef-mor um pouco de vinho. Aliás, minto. Um homérico porre etílico para tentar aferventar os seus íntimos infecciosos e os seus sentimentos infectados. Quem sabe, pelo menos, desemboquem numa puta ressaca de morrer! 

Todavia, porém, no entanto... acredito piamente que o melhor dos melhores ilê ayês e oloduns seria mesmo um pouso eterno na ARTE: Inovação, entretenimento, prazer, diversão, lazer, beleza, sensibilidade, estética, ficção, realidade, revolução, juntos e misturados conscientemente num exercício pleno de LIBERDADE e DEMOCRACIA. 

Isso é pedir e esperar muito do esdrúxulo desgoverno? Sem dúvidas de sombras que o é e seja. 

Outrossim, assim como temos esperança que o novo Corona Vírus (COVID-19) não se demore e vá-se, temos que manter uma chama viva de fé geométrica para o Bolsona Vírus (BOVID-19) se escafeder, se picar, ir o mais rápido possível pros quintos, para o bem geral da nação Brasil. 

Fui. Prometo ao Leitor curioso, estimado e antenado, encontrarmo-nos muito brevemente em novas linhas. Se segure que serão nuas e cruas abordagens e análises – tim por tim e ainda entrando em detalhes – sobre os possíveis candidatos à Prefeitura de Juazeiro-BA. 



Otoniel Gondim – Professor, Escritor e Compositor.
[sic]

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário.

COMPARTILHE