RADIO WEB JUAZEIRO : Trump diz à Marinha dos EUA para 'abater e destruir' barcos iranianos

#2ECCFA - #87CEFA

quinta-feira, 23 de abril de 2020

Trump diz à Marinha dos EUA para 'abater e destruir' barcos iranianos

Por Chandelis Duster e Nikki Carvajal, CNN

Donald Trump, presidente dos Estados Unidos
Foto: Leah Millis - 15.abr.2020/ Reuters

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, usou a plataforma Twitter para dizer que instruiu a Marinha americana a “abater e destruir todo e qualquer navio iraniano que ameaçar os navios americanos”. 

Nesta quarta-feira (22), oficiais do Pentágono disseram que o tweet era uma ordem legal, embora não tenha marcado uma mudança nas regras do compromisso. "O presidente emitiu um aviso importante aos iranianos. O que ele estava enfatizando é que todos os nossos navios mantêm o direito de legítima defesa e as pessoas precisam ter muito cuidado em suas interações para entender o direito inerente de legítima defesa", afirmou o vice-secretário de Defesa, David Norquist.

O general John Hyten, disse que os militares "aplicarão essa ordem clara do comandante-chefe em ordens legais", acrescentando que está claro para o Irã que existe uma linha que eles não podem cruzar e que provocaria uma resposta. "Não precisamos de mais nenhuma recomendação para fazer isso. Acho que a mensagem do presidente foi clara e não precisamos de mais ações", acrescentou.

O tweet é a mais recente ameaça provocativa que Trump expôs contra Teerã, em meio a uma prova de sua manipulação da pandemia de coronavírus, e levanta temores sobre a possibilidade de um erro de cálculo entre os dois inimigos de longa data. 

As tensões aumentaram acentuadamente em janeiro, quando os EUA mataram o segundo oficial mais poderoso do Irã, o general Qasem Soleimani, e no início deste mês, Trump, sem citar nenhuma evidência, alegou que seu governo tinha informações de que "o Irã ou seus representantes estão planejando um ataque a tropas ou a ativos dos EUA no Iraque ".

Ele alertou sobre um "preço alto" a pagar se tais atos fossem concretizados.

Garantir a proteção

O secretário de Estado Mike Pompeo também comentou o tweet em uma entrevista no Departamento de Estado, dizendo que o presidente foi claro para os departamentos de Estado e Defesa "de fazer tudo o que precisamos para garantir a proteção e defesa de nossos oficiais, nossos oficiais militares, nossos diplomatas em todo o mundo, para continuar a garantir que eles estejam seguros. "

A CNN entrou em contato com o Pentágono e a Casa Branca, para explicações adicionais. 

Na semana passada, a Marinha dos EUA divulgou um vídeo que mostra navios navais iranianos conduzindo repetidamente "abordagens perigosas e assediadoras" contra navios da Marinha dos EUA no Mar da Arábia do Norte e afirmou que um navio iraniano estava a menos de 10 metros da colisão com um navio dos EUA.

O vídeo do incidente parece mostrar vários navios de bandeira iraniana, com homens manejando armas na frente desses navios, passando na frente de um navio da Marinha dos EUA. As armas não parecem apontadas para o navio, que tocou uma buzina várias vezes quando os navios iranianos se aproximaram.
No domingo, o Corpo de Guardas da Revolução Islâmica do Irã reconheceu que ocorreu um incidente, mas descartou a versão americana dos eventos como um "conto falso de Hollywood", em comunicado publicado pela Agência de Notícias do Irã. 

Cerca de meia hora antes de Trump twettar na quarta-feira, "Fox & Friends", que Trump assiste regularmente, transmitiu um segmento sobre o incidente, bem como um relatório sobre o Irã lançando seu primeiro satélite militar em órbita. 

A Guarda Revolucionária Islâmica do Irã disse que o lançamento foi bem-sucedido, embora a CNN não tenha conseguido verificar isso de forma independente. 

O presidente Trump não aparenta ter problemas em postar sobre as principais decisões militares. Em 2017, ele twittou uma diretiva para proibir os membros transgêneros do serviço. O anúncio surpreendeu os oficiais militares e levou o general Joseph Dunford, então presidente do Estado-Maior Conjunto, a informar os membros do serviço que não haveria modificações imediatas na política atual. Após uma revisão e vários desafios legais, a proibição entrou em vigor no ano passado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário.

COMPARTILHE