RADIO WEB JUAZEIRO : Em live, comunidade escolar de Juazeiro, Uauá e Casa Nova apresentam experiências científicas do sertão da Bahia

#2ECCFA - #87CEFA

quinta-feira, 2 de julho de 2020

Em live, comunidade escolar de Juazeiro, Uauá e Casa Nova apresentam experiências científicas do sertão da Bahia


A Secretaria da Educação do Estado da Bahia (SEC) promoveu, nesta quarta-feira (1º), a live “ Oxente! Aqui se faz Ciência: experiências científicas no sertão da Bahia ". A iniciativa visa estabelecer um diálogo com professores, gestores, estudantes, famílias e demais profissionais de educação, a partir de temas semanais, e integra a série de lives do projeto “Educação ComVIDA: arte, cultura, esporte, saúde, ciência e educação ambiental e saúde na escola”.

Mediada pelo professor Abílio Peixoto, da Coordenação Executiva de Programa e Projetos Estratégicos da SEC, a live buscou mostrar como a iniciação científica transformou a aprendizagem em escolas da rede estadual. "Os projetos científicos nas escolas ajudam os estudantes a estarem aptos para conhecer e enfrentar os problemas encontrados nas suas regiões, e isso acaba também refletindo para fora dos muros da escola", disse.

A professora de geografia, Vanessa Chaves, do Colégio Democrático Estadual Professora Florentina Alves dos Santos, em Juazeiro, destacou como o programa Ciência na Escola contribui para o fortalecimento da pesquisa na escola. "A educação não é um momento, é um processo. Apesar da unidade escolar ter uma exposição de projetos, foi a partir do Ciência na Escola que começamos a ter essa proposta maior de desafiar o estudante com questões que estivessem dentro da sua realidade. A ideia é que a proposta venha do jovem e o professor possa ser um mediador", contou.

Segundo a professora de Biologia, Edna Dantas, do Colégio Estadual Nossa Senhora Auxiliadora, em Uauá, a iniciação científica promove o protagonismo estudantil. "Uma das nossas ações foi implantar um torneio de textos argumentativos, pois com tantas informações hoje em dia, os estudantes têm que saber receber o conhecimento e entendê-lo. Isso melhora sua condição de analisar um problema para pesquisar e buscar soluções", afirmou.

Para a vice-diretora Janildes Almeida, do Colégio Estadual Grandes Mestres Brasileiros, em Matina, promover a pesquisa científica motiva o resgate da identidade regional do estudante. "Por meio de um vídeo de casamento, os estudantes descobriram uma dança local que pouco conheciam a origem. Aí, através de questionamentos, conseguiram desenvolver um projeto de pesquisa que trouxe o conhecimento dessa tradição. Hoje, os estudantes se mobilizam para tentar aprovar uma lei municipal que reconheça a dança como um bem imaterial. E este e outros projetos acabam definindo a escola para a comunidade como um espaço emancipatório", ressaltou.

De Casa Nova, a professora de Química Andrea Passos, do Colégio Estadual de Casa Nova, relatou que, com a iniciação científica, o estudante consegue entender o que é passado na teoria. "Com os diversos projetos que foram desenvolvidos pelos estudantes, como o Dessalinizador com energia solar, o Floculação da água de açudes com o polímero do mandacaru e o Bloco ecológico com fibra de coco para substituição da taipa, os estudantes realmente entendem a aplicação daquilo que aprendem. E eu tenho esse retorno quando a estudante me diz que não conseguia enxergar o processo de floculação até desenvolver o projeto e ver o resultado", explicou.



Foto: Divulgação
Assessoria de Comunicação
Secretaria da Educação do Estado da Bahia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário.

COMPARTILHE