RADIO WEB JUAZEIRO : Bolsonaro diz que mortes por covid-19 seriam evitadas com cloroquina

#2ECCFA - #87CEFA

sexta-feira, 14 de agosto de 2020

Bolsonaro diz que mortes por covid-19 seriam evitadas com cloroquina

Mateus Maia 
 Reprodução Twitter - 13.ago.2020
 O presidente Jair Bolsonaro inaugura praça em Belém do Pará ao lado do governador do Estado, Helder Barbalho, e do ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta 5ª feira (13.ago.2020) que as mais de 100 mil mortes por covid-19 no Brasil teriam sido evitadas caso tivessem feito o tratamento com cloroquina de forma precoce. Em inauguração de obra no Pará, ele disse que enviou mais de 400 mil unidades do remédio para o Estado apesar de admitir não haver comprovação científica.

“Muitos médicos defendem esse tratamento e sabemos que mais de 100 mil pessoas morreram no Brasil que, caso tivessem sido tratadas lá atrás com esse medicamento poderiam essas mortes terem sido evitadas”, afirmou.

Ele também destacou que fez o tratamento e que é “prova viva” da eficácia. Bolsonaro disse ainda que os críticos da hidroxicloroquina não apresentam alternativas para o tratamento da covid-19.

O presidente defendeu o remédio também no domingo (9.ago). Falou que a hidroxicloroquina deve ser usada conforme recomendações do Conselho Federal de Medicina, que estabelece que os médicos têm autonomia para receitar o remédio.
EFICÁCIA DA CLOROQUINA

A cloroquina é 1 remédio de uso controlado que tem efeito imunomodulador, ou seja, dá resposta imune contra determinados microorganismos. É usado contra a malária, artrite reumatoide e lúpus. A droga e a hidroxicloroquina, medicação derivada da cloroquina, já foram testadas contra o coronavírus em vários países, mas não tiveram eficácia comprovada.

Em 4 de julho, a OMS (Organização Mundial da Saúde) decidiu de forma definitiva retirar a hidroxicloroquina de seus testes realizados em hospitais pelo mundo. A organização estabeleceu que o remédio só deve ser usado sob estrita supervisão médica. O produto já havia sido suspenso duas vezes depois de estudos não comprovarem o benefício do medicamento no tratamento da covid-19.

Um estudo brasileiro divulgado em 23 de julho também indicou que a medicação não apresentou “melhores resultados clínicos” na saúde de pacientes com a covid-19. A pesquisa foi desenvolvida pela coalizão formada pelos hospitais Albert Einstein, HCor e Sírio-Libanês, Moinhos de Vento, Oswaldo Cruz e Beneficência Portuguesa, pelo Brazilian Clinical Research Institute (BCRI) e pela Rede Brasileira de Pesquisa em Terapia Intensiva (BRICNet).

Atualmente, no Brasil, a venda da cloroquina e da hidroxicloroquina está restrita, após determinação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Só pode ser feita mediante apresentação de receita branca especial em duas vias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário.

COMPARTILHE