RADIO WEB JUAZEIRO : Brasil saiu oficialmente da recessão, diz Guedes
sexta-feira, 13 de novembro de 2020

Brasil saiu oficialmente da recessão, diz Guedes

Hamilton Ferrari 

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta 6ª feira (13.nov.2020) que o Brasil saiu oficialmente da recessão. O comentário foi feito depois da divulgação do IBC-Br (Índice de Atividade Econômica do Banco Central), que registrou alta de 9,47% no 3º trimestre de 2020 contra o trimestre anterior.© Reprodução/YouTube O ministro Paulo Guedes (Economia) durante evento virtual realizado pela AEB (Associação Brasileira de Comércio Exterior)

A economia brasileira recuou 2,5% no 1º semestre do ano e 9,7% nos 3 meses seguintes. O Brasil entrou no quadro de recessão técnica –duas quedas trimestrais consecutivas– e deve sair dessa situação quando o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgar o resultado oficial, em 3 de dezembro. O IBC-Br é considerado a prévia do PIB.© Fornecido por Poder360

Durante a live, o ministro disse que os casos de covid-19 estão caindo no Brasil. Afirmou que o governo está conseguindo controlar a transmissão do coronavírus e comemorou que “a vacina está chegando” ao enfatizar que há notícias boas para a saúde e para a economia.

Voltou a citar os dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), que mostrou criação de postos de trabalho com carteira assinada nos últimos 3 resultados. No acumulado do ano, o saldo é de 558,6 mil vagas fechadas.

“O ritmo [de criação de empregos] está tão forte que talvez seja difícil manter”, afirmou Paulo Guedes. Segundo ele, a perda de 558,6 mil postos de trabalho é menor do que em 2015 e em 2016, quando houve “crises autoimpostas” do passado por irresponsabilidades de políticas econômicas. O ministro é liberal e critica os gastos excessivos dos governos passados. Classifica-os como “social-democracia”.

“Houve a maior crise de saúde mundial [em 2020], e isso atingiu violentamente a economia mundial. O Brasil está conseguindo atravessar essa onda com uma perda de empregos menor do que as perdas que aconteceram nas crises autoimpostas do passado”, disse o ministro.
COMÉRCIO EXTERIOR

Guedes elogiou os representantes do setor de comércio exterior e comemorou os resultados da balança, que mostram superavit nas exportações. Disse que o novo “eixo de crescimento global” é a Ásia, região em que o Brasil tem superavit de US$ 40 bilhões em 2020.

O ministro afirmou que o Brasil ficou com a economia fechada para o restante do mundo durante 30 anos, o que, segundo ele avalia, ajudou a minimizar os efeitos da pandemia na economia brasileira. “Acabou sendo uma benção porque, como não estávamos integrados [ao comércio de países], o impacto não foi tão violento como poderia ter sido”.

Mas ressaltou que a abertura comercial é fundamental para o país. Disse que o Brasil está bem posicionado na Ásia para começar a integração.

Guedes disse que se o Brasil não for tratado no ocidente, dará atenção ao eixo comercial asiático. “O Brasil já se moveu e está indo para o ponto futuro. O eixo do crescimento do mundo está na Ásia, se nos tratarem mal do lado de cá, nós vamos para o lado de lá. E o Brasil quer dançar com todo mundo”.
SOCIAL-DEMOCRACIA X LIBERAL-DEMOCRACIA

O ministro Paulo Guedes afirmou que o governo de Jair Bolsonaro mudou as “dosagens da política macroeconômica” ao mirar o controle dos gastos públicos. “Atacamos 1º os privilégios da previdência, derrubamos os juros“, disse. “Economizamos R$ 120 bilhões de despesas de juros neste ano. Há expectativa de reduzir R$ 200 bilhões em despesas com juros nos próximos 2 anos“.

Se o valor for concretizado, o governo deixará de gastar aproximadamente R$ 400 bilhões com juros durante os 4 anos de governo Bolsonaro. Guedes disse que a “vida está ficando difícil para os rentistas”, ao se referir aos que se beneficiavam dos altos juros praticados no passado.

Guedes afirmou que a reforma administrativa, proposta que reduz as despesas com o funcionalismo público, deve economizar R$ 300 bilhões nos próximos 10 anos. Citou a digitalização do governo federal e a junção de 4 pastas (Comércio Exterior, Trabalho, Planejamento e Fazenda) num único Ministério da Economia. Antes as despesas com as estruturas somavam R$ 15 bilhões. Caíram para R$ 10 bilhões.

O ministro criticou a proposta de descumprimento da Emenda Constitucional do teto dos gastos, que, para ele, é fundamental para controlar o Orçamento público. “O Brasil sempre deixou, nos últimos 40 anos, o regime militar e a social-democracia que se revesaram, todos esses governos permitiram as expansão descontrolada dos gastos públicos“, disse.

De acordo com o chefe da equipe econômica, a expansão desordenada das despesas provocou 2 surtos de inflação, endividamento em bola de neve que prossegue até hoje, e aumento dos impostos de 18% para 36% do PIB.

“Nós não vamos aumentar os impostos. O teto é apenas 1 símbolo, é apenas uma bandeira, que, na verdade, pela Lei de Responsabilidade Fiscal, acabou virando uma barreira contra a irresponsabilidade com as finanças públicas e os orçamentos públicos”, declarou Guedes. Também citou que as estatais foram alvo de corrupção.

Ele agradeceu aos funcionários públicos por aceitarem o “sacrifício” de não exigir aumento salarial em 2020 e 2021. “Com muito patriotismo, aceitaram dar essa contribuição” no período da pandemia, disse.

O país gastou 10% do PIB (Produto Interno Bruto) para minimizar os efeitos da crise na economia, segundo o ministro. “Essa nossa determinação do controle gerou mais R$ 150 bilhões com o não aumento de salários do funcionalismo. Economiza R$ 68 bilhões federal, R$ 96 bilhões nos Estados e municípios em 2 anos”.
DINÂMICA DE GASTOS PÚBLICOS E RENDA CIDADÃ

O ministro disse que o país quebrou a dinâmica explosiva de descontrole de gastos. E, com isso, os juros caíram para o patamar mais baixo da história. A taxa básica, a Selic, está em 2% ao ano. “Eu nunca tinha visto na história econômica, a não ser em períodos artificiais”, disse.

“Essa que foi a chave para mudar 2 preços na economia. Em vez de juros altos e o câmbio muito baixo, o que desestimulava os investimentos, as exportações, a indústria de construção civil, nós mudamos. Passamos a ter política fiscal forte e política monetária acomodatícia”, afirmou o ministro.

Guedes afirmou que, apesar das críticas às políticas adotadas no passado, “o discurso não é de guerra“, mas sim técnico e evolucionista. “Tudo o que foi feito de bom será preservado”, disse, e exemplificou o Bolsa Família.

O ministro também comentou que há estudos dentro da equipe econômica para financiar 1 programa social mais amplo que o Bolsa Família, que contempla os beneficiários do auxílio emergencial criado na pandemia. Afirmou que só será criado se houver fonte de financiamento.

“Se não [der], o presidente já deu declaração sobre isso. Enquanto não estiver estabelecida [fonte de financiamento], e não está, vamos voltar para o Bolsa Família e acabou. Nós não vamos fazer aventura”, afirmou. “Não haverá populismo“.
MEIO AMBIENTE

Ele voltou a dizer que há interesses comerciais de países que impõem barreiras nas negociações com o Brasil. “Temos a exploração do tema por países protecionistas que querem impedir o avanço da nossa agricultura. Nós temos consciência, temos que fazer a nossa parte, o nosso dever nessa preservação do meio ambiente, mas sabendo também sem ingenuidade que há muito interesse comercial nessa narrativa”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário.

COMPARTILHE