RADIO WEB JUAZEIRO : Problemas de envio de vacinas com a China foram resolvidos, diz Dimas Covas
sexta-feira, 12 de março de 2021

Problemas de envio de vacinas com a China foram resolvidos, diz Dimas Covas

Guilherme Waltenberg


O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, afirmou que ainda faltam insumos para concluir a produção das doses da CoronaVac encomendadas pelo Ministério da Saúde, mas que não vê “nenhuma perspectiva de dificuldade em relação à vinda dessa matéria-prima”. Ele concedeu as declarações em entrevista ao Poder360 gravada na 4ª feira (10.mar.2021).

O Butantan tem, atualmente, material para produzir 35 milhões das 100 milhões de doses que o Ministério da Saúde encomendou. Mais de 13 milhões de doses foram entregues até 4ª feira (10,mar).

Covas afirma que 46 milhões serão entregues até abril. “O Butantan está fazendo um grande esforço no sentido de acelerar a produção. Agora em março, no cronograma original, iríamos entregar 18 milhões. Vamos entregar 22 milhões, quase 23 milhões de doses”, disse.

O Butantan está construindo uma fábrica para produzir no Brasil os insumos que hoje importa da China. As obras devem ficar prontas em setembro. Mas a produção da matéria-prima em solo nacional só deve começar em 2022:

“Até o fim do ano nós esperamos instalar a parte de equipamentos e qualificar essa fábrica, para que no início do próximo ano a gente dê início à produção [100% nacional]”, explica o diretor do Butantan. A partir desse momento, o instituto terá autonomia para produzir, em média, 100 milhões de doses por ano.

Mesmo dependendo dos insumos importados no atual momento, Covas reforça a avaliação de que hoje a CoronaVac é que está garantindo a vacinação no país. “O Butantan, neste momento, é a espinha dorsal do programa nacional de imunização contra a covid-19”. Assista à entrevista na íntegra (30min29s):

Demanda internacional

Argentina, Uruguai, Peru, Bolívia, Colômbia e Chile contataram o Butantan em busca de vacinas. Mas o Instituto só deve exportar a partir de 2022, quando não depender mais dos insumos chineses e os primeiros contratos com o governo brasileiro estiverem finalizados.

Por enquanto, “o Butantan faz os acordos e a Sinovac faz a remessa das vacinas”, explica Covas. Sobre os atrasos em entregas ou o interesse em comprar doses de outros medicamentos, Dimas Covas lembra que a elevada procura pelos imunizasntes pressiona os fabricantes. “O mercado mundial de vacinas é um mercado muito volátil e a demanda é muito grande”.



Eficácia e novas variantes

Covas criticou estudo preliminar da Lancet que indicara possibilidade de a CoronaVac não proteger contra a variante brasileira. Ele afirmou que a pesquisa tem problemas metodológicos: “Nesse mesmo estudo, o soro de pessoas que tiveram a infecção apresentou uma resposta até pior do que os indivíduos que haviam sido vacinados”, aponta Covas.

O Butantan divulgou na 4ª (10.mar) um estudo de pesquisadores do ICB (Instituto de Ciências Biomédicas) da USP (Universidade de São Paulo). A eficácia valeria para 3 variantes em circulação no Brasil: P.1, P.2 e do Reino Unido. Segundo comunicado do governo, o resultado é preliminar. O estudo completo ainda não foi divulgado.

Covas se disse mais preocupado com a resposta da CoronaVac à variante sul-africana: “A resposta [contra a cepa sul-africana] é adequada, embora possa haver uma diminuição em relação à cepa original, encontrada na China”, explica o médico. Ele ressalta que os estudos sobre essa variante em específico foram realizados fora do Brasil.

Dimas explica que a preocupação maior é em relação a vacinas que se baseiam na proteína S do coronavírus –como a da Pfizer, da Oxford e a da Moderna: “como as mutações ocorrem exatamente nessa proteína S, isso pode interferir na qualidade da resposta imunológica. O indivíduo produz anticorpos contra a proteína S original, e esses anticorpos têm dificuldade para reconhecer a proteína S que passou por mutação”.

Covas ressaltou que, ainda que uma vacina não impeça o contágio por novas cepas, ainda é válida no combate à pandemia: “Não significa que ela não seja eficaz na proteção dos sintomas da doença, que é o objetivo de todas essas vacinas: evitar a doença grave que leva a pessoa ao hospital”, alerta Covas.

Novas vacinas

O Instituto Butantan desenvolve outros 3 imunizantes contra a covid-19. Um deles está na fase pré-clínica e pode ficar pronto em 2020. Agora, o Butantan se organiza para começar os testes clínicos (em pessoas) .

A vacina mais “recente” usa RNA mensageiro, mesma tecnologia da Pfizer e da Moderna. O projeto está na fase inicial e o Butantan procura parcerias para dar continuidade ao projeto.© Fornecido por Poder360

Soro anti-covid

A vacina é voltada para as pessoas que ainda não contraíram o coronavírus, mas o Butantan também desenvolve um soro para aqueles que pegaram a doença. Covas explicou que a substância funciona como um tratamento precoce: “a hora que o indivíduo começa com os primeiros sintomas da doença, ele recebe o soro, que funciona quase como uma vacina imediata. Quando você aplica, o soro já começa a fazer o seu efeito contra o vírus”.

O diretor do Butantan afirmou que a autorização para ensaio clínico (testes em humanos) foi solicitada à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Ele se disse que espera começar o ensaio “nas próximas semanas possamos começar os estudos clínicos” e pediu “sensibilidade” da agência em se manifestar de forma rápida.

Covas descartou qualquer semelhança entre o soro do Butantan e o spray nasal de Israel: “Não tem relação. Essa terapia com o soro é uma terapia que tem mais de século, é chamada a imunoterapia passiva e é utilizada contra um grande número de doenças. Não é nada assemelhada com esse spray nasal que estão procurando como solução. São coisas completamente distintas”.

O governo federal enviou uma comitiva a Israel na semana passada. Quer realizar ensaios clínicos do medicamento no Brasil.

Relação com a Anvisa

Covas negou a possibilidade do uso emergencial da CoronaVac cair. Quando o uso do imunizante foi aprovado pela Anvisa, a agência solicitou dados adicionais sobre a produção dos anticorpos, que deveriam ser entregues e aprovados até 31 de março.

O Butantan pediu mais prazo para enviar as informações. A Anvisa prorrogou o limite para 30 de abril.

Sem esses dados, o Butantan não pode pedir o registro definitivo da CoronaVac junto à agência. Sem detalhar datas, Covas afirmou que a documentação do processo está adiantada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário.

COMPARTILHE