RADIO WEB JUAZEIRO : Especialistas explicam possíveis motivos para fumaça nos tanques de guerra

quarta-feira, 11 de agosto de 2021

Especialistas explicam possíveis motivos para fumaça nos tanques de guerra

Murilo Fagundes

Um comboio de mais de 30 veículos blindados, armamentos e outros meios da Força de Fuzileiros da Esquadra desfilou pela Praça dos Três Poderes nesta 3ª feira (10.ago.2021) em um desfile militar que atraiu os olhares de diversos setores do Brasil e do mundo.

© Sérgio Lima/Poder360 Tanques militares desfila na Praça dos Três Poderes com a presença do presidente Jair Bolsonaro. Tanques chamaram atenção pela fumaça liberada

Para grupos políticos, o presidente tentava demonstrar força com o desfile e a presença do ministro Walter Braga Netto (Defesa), do Almirante de Esquadra Almir Garnier Santos (Marinha), do General Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira (Exército) e do Tenente-Brigadeiro do Ar Carlos de Almeida Baptista Junior (Aeronáutica).

Porém, não apenas o objetivo do desfile em si chamou a atenção de quem assistiu. A fumaça que soltava os Carros de Combate Leves Sobre Lagartas (CCLSL) austríacos SK-105A2S Kürassier bloqueou o campo de visão perto do Palácio do Planalto, constrangeu parte da Força e virou meme nas redes sociais.

A parada militar durou cerca de 10 minutos e contou com 44 veículos militares entre blindados, tanques e caminhões. O jornal britânico The Guardian referiu-se à parada como “desfile militar da república das bananas de Bolsonaro”. Veja neste post mais fotos do desfile militar.

Especialistas escutados pelo Poder360 afirmam que a fumaça se deve a, entre outros fatores, falta de manutenção ou desregulagem no diesel. Eles comentam também sobre o desempenho dos veículos blindados.

O engenheiro e especialista em veículos blindados militares Paulo Bastos afirma que o veículo fumaceiro, o austríaco SK-105, é da versão SK-105A2S, do último lote fabricado no mundo. O aparato chegou ao Brasil para os fuzileiros em 2001.

Afirma que a fumaça se deve a algum problema no tanque de diesel. “Esses veículos têm sistema de geração de fumaça, mas pelo que vi nas fotos não é o caso. Pode ser problema de combustível, de motor. Um problema muito sério é que no Brasil se utiliza biodiesel, esses veículos são importados, não são preparados”.

O pesquisador da área militar Hélio Higushi diz que possivelmente faltou manutenção nos veículos antes do desfile. “[A fumaça] acontece quando o veículo a diesel está mal regulado. É normal em veículo de combate no mundo inteiro não ter o diesel regulado. Não que isso seja vantagem, é desvantagem, porque, em caso de combate, a fumaça chama a atenção. Acontece quando o bico do diesel está sujo”.

Higushi afirma que o processo de limpeza de bicos dos veículos é caro. “Numa manutenção de um veículo desse, geralmente não é prioridade limpar o bico”.

Bastos e Higushi concordam que o SK-105A2S é um modelo obsoleto, mas não pela idade nem pelo tempo de aquisição. “Assim que os fuzileiros compraram o veículo, ele saiu de linha. Mas compraram zero km. Estão buscando substitutos. Mas o veículo é obsoleto porque ele é leve, não por que é velho”, diz Higushi.

O engenheiro Paulo Bastos, que também edita o website Tecnologia & Defesa, completa que a maioria dos blindados que desfilaram nesta 3ª na Esplanada são veículos de transportes de tropas. “São feitos, por exemplo, para andar em mar agitado, com ondas. Fornecem apoio de fogo com torreta que contém metralhadora e lançador de granada. Mas são armas muito básicas”.

O Poder360 questionou a Marinha sobre a data da última manutenção do SK-105 que desfilou em Brasília e perguntou sobre futuras aquisições de veículos. O espaço segue aberto para manifestações.

Eis alguns veículos blindados que participaram do desfile e suas especificações:

Os veículos desse lote, recebidos pelo Corpo de Fuzileiros Navais em 2018, contam com motor mais potente, nova transmissão e sistema de suspensão atualizado. Esse combo oferece melhor mobilidade, maior alcance de velocidade e mais facilidade de operação.

Os SK-105 são os mesmos dos atuais carros de combate do Exército Brasileiro, porém contam com mais mobilidade e menos proteção balística. Paulo afirma que a produção do SK-105 começou em 1971, mas os utilizados pelo Corpo dos Fuzileiros Navais são da versão SK-105A2S, do último lote, e chegaram ao Brasil em 2001. Foram fabricados para os Fuzileiros em 2000.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário.

COMPARTILHE