RADIO WEB JUAZEIRO : EUA planejam entregar 5 bombardeiros B-21 até 2022 para conter a China
quinta-feira, 23 de setembro de 2021

EUA planejam entregar 5 bombardeiros B-21 até 2022 para conter a China

Poder360

Os Estados Unidos estão ampliando seu potencial aéreo militar numa tentativa de lidar com o avanço da capacidade nuclear da China. Os norte-americanos também querem garantir vantagem estratégica sobre a Rússia. Segundo o secretário da Força Aérea norte-americana, Frank Kendall, os 2 países estão desenvolvendo programas de mísseis supersônicos que podem estar à frente dos usados pelos EUA.

© Reprodução/Twitter
O secretário da Força Aérea dos EUA, Frank Kendall, disse que 5 novos bombardeiros para conter a China ficarão prontos em 2022

Kendall participou da conferência “Air, Space, Cyber”, da Associação da Força Aérea na 2ª feira (20.set.2021). Disse que 5 unidades do bombardeiro furtivo B-21 estão sendo produzidos na fábrica da Northrop Grumman, empresa que atua no setor da indústria aeroespacial e defesa. A previsão é de que fiquem prontos em 2022. As aeronaves são projetadas para passar pelas defesas anti-aéreas inimigas sem ser detectadas, e podem carregar armamento convencional e nuclear.

O secretário afirmou que a China vem se destacando na construção de ICBMs, sigla para míssil balístico intercontinental. “Quer seja intencional ou não, a China está adquirindo uma capacidade de ataque inicial”, declarou Kendall, ao considerar que o país asiático se afastou de manter uma política nuclear apenas dissuasiva.

A preocupação, além do poderio nuclear, é com o aumento de capacidade chinesa em sistemas anti-satélite, guerra cibernética, e de defesa aérea. Kendall defendeu os investimentos na área como forma de assegurar aos Estados Unidos a capacidade de “projetar poder” na região do Indo-Pacífico.

O local é alvo das preocupações dos EUA. Em 16 de setembro o país anunciou um acordo militar com o Reino Unido e Austrália para intensificar operações de vigilância. A cooperação foi vista como uma forma de impedir a ascensão chinesa nas arenas militar e tecnológica. A parceria dotará a Austrália de submarinos movidos a propulsão nuclear.

“Nossos concorrentes estratégicos estudaram como lutamos e tomaram medidas assimétricas para explorar nossas vulnerabilidades e nos derrotar. Temos que responder com um senso de urgência, mas também temos que reservar o tempo necessário para fazer escolhas inteligentes sobre nosso futuro e nossos investimentos”, disse o secretário.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário.

COMPARTILHE