RADIO WEB JUAZEIRO : JORNALISTA PARAM ATIVIDADES POR REAJUSTE SALARIAL
sexta-feira, 12 de novembro de 2021

JORNALISTA PARAM ATIVIDADES POR REAJUSTE SALARIAL

Por reajuste, jornalistas da Folha, Globo e Estadão param


Ao menos 300 jornalistas de Folha de S.Paulo, Globo, Valor, Agora e Estado de S. Paulo cruzaram os braços para pedir recomposição do salário pela inflação do ano. Os profissionais de imprensa fizeram paralisação de duas horas, das 16h às 18h, para pedir 8,9% de reajuste em todas as faixas salariais. As informações são do portal Metrópoles

Esta é a primeira vez em décadas que centenas de jornalistas param o trabalho para protestar. A principal reclamação é que a negociação para repor a inflação dura desde maio, sem desfecho.

Os jornalistas da Folha, na sucursal de Brasília, aderiram em grande parte ao movimento, os do Globo também protestaram. Todos fizeram tuitaço com as seguintes tags: #jornalistassalvamvidas #jornalistasvãoparar.

Os profissionais de outros estados e do DF que aderiram ao protesto de São Paulo o fizeram porque a Convenção Coletiva fechada com as empresas sediadas em SP vale também para as sucursais.

As tags chegaram a ser o quarto assunto mais comentado do Twitter. O Sindicato dos Jornalistas de São Paulo classificou o dia como “histórico”.

O presidente do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo, Thiago Tanji, lembrou que a categoria foi essencial durante a pandemia e é primordial para o exercício da democracia. “Nossa categoria trouxe informações essenciais, que ajudaram a amenizar esse momento. Recebemos ataques, ameaças nas ruas. Ano passado, boa parte das redações teve redução de salário, sem redução de jornada. Hoje, com essa inflação altíssima, nosso poder de compra vai sendo deteriorado a cada dia”, afirmou.

Negociação

Em conversas desde maio com o Sindicato dos Jornalistas, as empresas fizeram novas propostas na última segunda-feira (8/11). No entanto, não garantiram a reposição da inflação, que deve fechar 2021 em 10,25%, para maior parte da categoria. Durante a mesa de negociação, os patrões ofereceram três faixas de reajuste e a volta da multa da PLR (Participação nos Lucros Reais) reajustada em 8,9%.

Para os salários de até R$ 5 mil, o reajuste seria pela inflação – de junho – (8,9%), sendo 5% retroativo à data-base em junho e a diferença em janeiro. Já os salários entre R$ 6 mil e R$ 7 mil teriam reajuste de 6% em duas parcelas, sendo 5% em junho e a diferença em janeiro. Os salários superiores a R$ 7 mil receberiam aumento fixo de R$ 420, sendo R$ 350 retroativo a junho e a diferença em janeiro.

O pagamento das diferenças seria feito por meio de duas parcelas: em novembro e dezembro. Os jornalistas não aceitaram.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário.

COMPARTILHE