RADIO WEB JUAZEIRO : Lucinha pressiona deputada a assinar CPI do Caso Beatriz
segunda-feira, 7 de fevereiro de 2022

Lucinha pressiona deputada a assinar CPI do Caso Beatriz

Por Houldine Nascimento, repórter do Blog
Mãe da garota Beatriz Angélica Mota, assassinada em dezembro de 2015, a dona de casa Lúcia Mota gravou um vídeo para cobrar que a deputada estadual Dulcicleide Amorim (PT) assine o requerimento de abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) sobre o caso. Dulci é de Petrolina, cidade em que ocorreu o crime, e mantém sua principal base eleitoral no município.

"Deputada, não recue agora. Assine para que a CPI aconteça. As alianças políticas não podem estar acima da Justiça, da verdade. A senhora está tendo agora a oportunidade de realmente fazer algo por Beatriz. Só falta uma assinatura. A sociedade conta com seu apoio, seus eleitores também", diz Lucinha.

Da bancada evangélica, Dulci Amorim havia solicitado uma audiência pública sobre o caso Beatriz em dezembro de 2021 e hesita em aderir à abertura da CPI. “Tenho acompanhado essa questão de perto, e o fato de não assinar o pedido de CPI é porque acredito que precisamos seguir etapas. Na minha opinião, primeiro devemos debater, pois há perguntas a serem respondidas”, chegou a falar em reunião plenária na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), na última quarta-feira (2).
O Blog entrou em contato com a assessoria de Dulcicleide para obter uma resposta. A parlamentar falou sobre o assunto em uma nota extensa enviada há pouco. 

Leia abaixo:

"Para conhecimento da imprensa e da população pernambucana, o pedido de realização de uma Audiência Pública sobre o Caso Beatriz na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), foi feito à Comissão de Cidadania, Direitos Humanos e Participação Popular no dia 20 de dezembro de 2021. Essa, foi apenas mais uma das iniciativas do nosso mandato em apoio ao movimento Somos Todos Beatriz.

Eu e o ex-deputado estadual Odacy Amorim sempre nos colocamos como facilitadores do diálogo entre a família da menina e o governo estadual, e cobramos esclarecimentos, inclusive levando esse debate para a Alepe. Além disso, esse tema nunca foi pauta das campanhas eleitorais que participamos.
É importante frisar que, no dia da coletiva de apresentação dos detalhes sobre o indiciamento do suspeito do homicídio, 12 de janeiro no Recife, conversamos com os pais da menina e os consultamos sobre a manutenção da audiência pública diante dos novos fatos. Assim, foi acordado com eles de que o encontro na Alepe deveria ser mantido.

A Audiência Pública sobre o Caso Beatriz, marcada para o próximo dia 10 de fevereiro, está mantida e é vital a participação de todos os envolvidos. Diante disso, salientamos que o resultado dela será determinante para vislumbrar a necessidade da realização de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), inclusive podendo contar com o nosso voto favorável.

Considerando o nosso cuidado e a nossa atenção à luta da família da criança, lamentamos e recebemos com surpresa as declarações sobre um suposto boicote à CPI do Caso Beatriz , uma vez que transformar o assassinato de uma menina a facadas, dentro de uma escola, em capital político é, no mínimo, desumano.

Por fim, reforçamos que a busca por justiça da família da menina é legítima, que nenhuma família merece ocupar esse lugar de sofrimento e dor que está, desde 2015, a família da pequena Beatriz. No entanto, é importante manter a serenidade e o respeito às pessoas que verdadeiramente estão no lugar de colaboradores e parceiros solidários nessa caminhada.

Dulci Amorim, deputada estadual de Pernambuco"

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário.

COMPARTILHE