RADIO WEB JUAZEIRO : Pacientes voltam a andar graças a estimulação elétrica da medula
terça-feira, 8 de fevereiro de 2022

Pacientes voltam a andar graças a estimulação elétrica da medula

Tecnologia permitiu a três paraplégicos "voltar a ficar de pé, caminhar, andar de bicicleta e nadar"

 Autor: AFP

Após cinco meses de reabilitação, o progresso foi considerável e um dos pacientes conseguia caminhar quase um quilômetro - Foto: AFP

Três pacientes paraplégicos que não conseguiam se mover ou sentir as pernas voltaram a andar, graças a um implante que estimula eletricamente a medula espinhal, um avanço que poderia se generalizar em alguns anos, de acordo com um estudo publicado nesta segunda-feira na revista "Nature Medicine".

A tecnologia permitiu a três paraplégicos "voltar a ficar de pé, caminhar, andar de bicicleta e nadar", destaca o estudo. Os três pacientes, todos homens, não apenas eram incapazes de movimentar as pernas, mas também haviam perdido toda a sensibilidade nas mesmas, após sofrerem acidentes que afetaram sua medula espinhal.

Contida na coluna vertebral, a medula espinhal é uma extensão do cérebro e controla muitos movimentos que podem ser perdidos se o contato com o cérebro for afetado. No caso dos três pacientes, foi possível reverter essa situação.


Em Lausanne, uma equipe dirigida pela cirurgiã suíça Jocelyne Bloch e pelo neurocientista francês Grégoire Courtine implantou 15 eletrodos, que permitem a estimulação elétrica de várias partes da medula espinhal. Isso foi resultado de 10 anos de tratamentos desse tipo, com o objetivo de torná-los uma terapia que mudaria a vida de muitas pessoas.

A ideia de enviar uma corrente elétrica para recuperar o movimento perdido remonta a décadas e foi colocada em prática pela primeira vez em 2011, quando um paraplégico pôde ficar em pé novamente. Desta vez, os pacientes operados puderam dar seus primeiros passos na esteira de um laboratório quase que imediatamente, embora o movimento não seja comparável a uma caminhada normal. "Não se deve imaginar um milagre imediato, permite que treinemos em seguida essas atividades", explicou Courtine em entrevista coletiva.

Após cinco meses de reabilitação, o progresso foi considerável e um dos pacientes conseguia caminhar quase um quilômetro sem interrupção.

Algumas horas por dia

Para conseguir esses avanços, os pesquisadores melhoraram drasticamente a tecnologia usada em experiências anteriores, que eram baseadas em ferramentas de estimulação elétrica preexistentes. Mas esses dispositivos foram projetados com um propósito diferente: reduzir a dor, em vez de estimular o movimento, um objetivo muito mais complexo, principalmente porque os seres humanos possuem medulas espinhais com características diferentes.

Desta vez, "os eletrodos são mais longos e maiores do que os usados anteriormente, o que permite que mais músculos sejam acessados", explicou Jocelyne Block. Outro avanço importante é que, graças a um software que usa inteligência artificial, os impulsos elétricos são muito mais precisos e se correspondem melhor com cada movimento, em vez de ser um fluxo indiscriminado de corrente.

Jocelyne espera que, nos próximos anos, esses avanços possam atingir um número maior de pessoas. A tecnologia deve ser submetida a testes clínicos muito mais amplos, coordenados pela startup holandesa Onward, que visa a facilitar o seu uso com um telefone, por exemplo.

Uma das limitações do sistema é que, quando o estímulo elétrico é interrompido, não possui efeito duradouro. E o mesmo não pode ser mantido permanentemente, pois esgotaria o organismo do paciente.

Ainda assim, recuperar um pouco dos movimentos diariamente já é muito, expressou um dos pacientes, Michel Roccati, que teve os eletrodos implantados em 2020, três anos após um acidente de moto. "Eu o uso todos os dias, por algumas horas. No trabalho, em casa, para muitas coisas", comentou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por seu comentário.

COMPARTILHE